Mercado fechado

Cantores de funk são acusados de integrar esquema de falsos sites de leilões; entenda como funcionava

Polícia vai indiciar cantores de funk por suspeita de participação de um esquema de sites de falsos leilões de carro (Reprodução/Instagram)

A Polícia Civil de São Paulo decidiu na última quinta-feira, 8, que vai indiciar os cantores de funk Mc Gui e Mc Gabriel por suspeita de participação de um esquema de sites de falsos leilões de carro. A dupla, o empresário Rogério Alves e outras 17 pessoas serão investigadas pela suposta fraude. A investigação teria durado mais de três meses e levou à RW, produtora do pai do MC Gui.

Esquema

De acordo com a polícia, o grupo utilizava um site falso de leilões de veículos para atrair usuários. As vítimas acreditavam que estavam seguras, já que a página exibia o CNPJ do Sindicato dos Leiloeiros de São Paulo. Os valores correspondentes aos carros eram depositados ou transferidos para uma série de contas. Em alguns casos, os titulares das contas sequer tinham conhecimento da fraude.

Mais de 70 pessoas em diferentes estados do país teriam sido lesadas pelo grupo. Assim que um site era denunciado por uma vítima, a organização tirava ele do ar e criava um semelhante.

Produtoras de funk

Os investigadores chegaram às produtoras de funk quando o Mc Gabriel pediu a um funcionário da RW que emprestasse sua conta-corrente. Segundo o funkeiro, o dinheiro depositado seria correspondente ao pagamento de um show. A polícia bloqueou a conta e pediu ao homem que prestasse esclarecimentos sobre o caso. O empregado teria sido agredido ao retornar ao trabalho.

Drogas

A Revista Isto Gente aponta que a polícia cumpriu na última quinta-feira, 7, um mandado de busca e apreensão na sede da RW Produtora. No local, foi encontrada ainda cocaína. O material foi apreendido e levado à delegacia.

Em seu instagram, o Mc Gui se manifestou sobre o caso: