Mercado abrirá em 4 h 38 min
  • BOVESPA

    129.264,96
    +859,61 (+0,67%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.315,69
    -3,88 (-0,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,28
    -0,38 (-0,52%)
     
  • OURO

    1.776,80
    -6,10 (-0,34%)
     
  • BTC-USD

    32.225,80
    -1.076,46 (-3,23%)
     
  • CMC Crypto 200

    769,51
    -80,83 (-9,51%)
     
  • S&P500

    4.224,79
    +58,34 (+1,40%)
     
  • DOW JONES

    33.876,97
    +586,89 (+1,76%)
     
  • FTSE

    7.082,75
    +20,46 (+0,29%)
     
  • HANG SENG

    28.313,18
    -175,82 (-0,62%)
     
  • NIKKEI

    28.884,13
    +873,20 (+3,12%)
     
  • NASDAQ

    14.086,50
    -43,50 (-0,31%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9719
    -0,0034 (-0,06%)
     

Cansado de tanta informação? 70% dos brasileiros sofrem efeitos da infodemia no trabalho

·3 minuto de leitura
Cansado de tanta informação? 70% dos brasileiros sofrem efeitos da infodemia no trabalho
Cansado de tanta informação? 70% dos brasileiros sofrem efeitos da infodemia no trabalho

Sete em cada 10 trabalhadores brasileiros estão sofrendo os efeitos da infodemia no ambiente de trabalho, como sobrecarga mental, distração e ineficiência nas tarefas laborais. Isso é o que mostra um estudo realizado pela Kaspersky, em parceria com a consultoria Corpa.

Ainda de acordo com o levantamento, o Brasil responde pelo segundo lugar entre os mais afetados pela infodemia no ambiente laboral, perdendo apenas para o Peru, que conta com 73% dos colaboradores com os mesmos sintomas.

Completam a lista: Colômbia (61%), seguido de México (57%) e Argentina (55%). Os chilenos (51%) são os únicos em que a quantidade de pessoas sem efeito da infodemia é maior do que a de quem sofre com os sintomas.

Ilustração de um ambiente de trabalho, onde há funcionários suas mesas, fazendo gestos que demonstram cansaço e estafa
Estudo aponta que 70% dos trabalhadores brasileiros estão com sintomas de cansaço e estaga em decorrência da infodemia. Crédito: Shutterstock

A chamada infodemia se tornou um termo amplamente utilizado. Fruto da junção das palavras “informação” e “epidemia“, a palavra retrata justamente a estafa que muitas pessoas sentem, resultado direto do excesso de notícias – sejam elas falsas ou reais -, com as quais é preciso lidar diariamente em uma escala e velocidade nunca antes vista.

Dos 70% brasileiros que se disseram afetados pela sobrecarga mental, 37% passaram a trabalhar mais, atitude esta que serviu como “válvula de escape” para fugir da avalanche de dados com as quais eles teriam de lidar. Outros 20% disseram que estão demorando mais para terminar suas tarefas e 19% relatam estarem mais distraídos.

Excesso de informação x segurança de dados

A Kaspersky, sendo especializada em cibersegurança, traçou também um paralelo entre os efeitos da infodemia e a segurança de dados e trabalhadores.

Para Fabio Assolini, analista sênior de segurança da Kaspersky no Brasil, a desatenção provocada pelo excesso de informação é elemento crítico que pode colocar em xeque a segurança de equipamentos e dados.

imagem de cartões de crédito sendo perfurados com um anzol
A infodemia pode deixar funcionários mais vulneráveis a ataques de phishing. Imagem: wk1003mike/Shutterstock

“A desatenção é a base de golpes de engenharia social. Esta técnica é usada na construção de mensagens fraudulentas que roubam credenciais corporativas ou financeiras das vítimas – sendo o Brasil o país mais atacado por este tipo de ameaça online”, afirma o especialista.

Assolini cita também os golpes de spear-phishing, que são mensagens fraudulentas, como os phishing, mas que recebem o prefixo “spear”, classificando uma categoria de mensagens altamente personalizadas, o que dificulta ainda mais a identificação de golpes por funcionários distraídos.

“[Esses golpes] visam instalar um malware no computador-alvo. Um exemplo recente desta técnica é a campanha RevengeHotels, que disfarçou o programa malicioso em um pedido de orçamento de um suposto evento corporativo e direcionou essas mensagens contras hotéis. Uma vez dentro da rede empresarial, a ameaça passava a roubar os dados de cartões de créditos dos hospedes (que são informados no momento do check-in) e os enviavam para os criminosos”, exemplificou o executivo.

Leia também!

Os alvos de mensagens maliciosas desse tipo, ainda de acordo com a Kaspersky, são aqueles profissionais com acesso a dados confidenciais e sem conhecimento técnico de segurança, como a equipe administrativa, de RH ou da contabilidade.

Assolini destaca, ainda, que pessoas que contam com permissões de acesso aos sistemas internos da corporação, como administradores de rede e equipes de TI, também são alvos deste tipo de golpe, mas a sofisticação para essas vítimas pode ser ainda maior, dada a posição do colaborador perante a empresa.

“A distração do profissional faz com que ele caia na lábia do cibercriminoso e faça o que eles pedem para o golpe ser bem-sucedido. Os bandidos já contam com esta falta de atenção, mas se a cabeça da pessoa estiver sobrecarregada [infodemia], a chance de o golpe atingir seu objetivo final é maior”, relata. “Vejo claramente uma relação de causa e efeito entre esses dados e isto deve servir de alerta para que as equipes de TI e de segurança redobrem a atenção e a proteção dos funcionários”, conclui Assolini.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos