Mercado fechado
  • BOVESPA

    115.202,23
    +2.512,05 (+2,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.342,54
    +338,35 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,28
    +2,45 (+3,84%)
     
  • OURO

    1.698,20
    -2,50 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    49.823,47
    +1.183,56 (+2,43%)
     
  • CMC Crypto 200

    982,93
    +39,75 (+4,21%)
     
  • S&P500

    3.841,94
    +73,47 (+1,95%)
     
  • DOW JONES

    31.496,30
    +572,16 (+1,85%)
     
  • FTSE

    6.630,52
    -20,36 (-0,31%)
     
  • HANG SENG

    29.098,29
    -138,51 (-0,47%)
     
  • NIKKEI

    28.864,32
    -65,78 (-0,23%)
     
  • NASDAQ

    12.652,50
    +197,50 (+1,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7780
    -0,0079 (-0,12%)
     

Cansaço com a pandemia? Especialistas dão dicas para diminuir o estresse nessa fase da Covid

·2 minuto de leitura

A pandemia da Covid-19 não tem afetado apenas a saúde física das pessoas — provocando internações em UTIs e mortes — mas também impactado a saúde mental. De acordo com uma pesquisa feita pela Mercer Marsh, empresa de consultoria corporativa, havia cerca de 2,2 milhões de trabalhadores brasileiros que buscavam tratamento para saúde mental. No entanto, durante a pandemia, este número saltou para 8,1 milhões. Isto mostra a necessidade de novas formas de aprender a lidar com o estresse e o cansaço mental gerado pela crise do coronavírus.

De acordo com Dulce Pereira de Brito, coordenadora médica de Saúde Populacional do Hospital Einstein, já era esperada uma avalanche de transtornos relacionados à saúde mental durante e após a pandemia de Covid-19.

— O contágio emocional (medo de pegar e das consequências da doença) é muito maior do que a transmissão do próprio vírus — afirma Dulce.

A médica explica que os impactos negativos da pandemia podem ser divididos em quatro ondas diferentes: a primeira, está relacionada ao adoecimento das pessoas causado pelo coronavírus, o que deixou sequelas e muitas mortes; a segunda, está ligada às pessoas que necessitam de atendimento de urgência que não seja de Covid-19, mas que não conseguem porque os hospitais estão lotados; a terceira, refere-se aos pacientes acometidos por doenças crônicas com tratamento interrompido por causa da pandemia; a quarta onda é justamente o aumento de transtornos mentais.

Enquanto as três primeiras ondas têm um pico e começam a diminuir de acordo com a evolução da pandemia, a onda referente à saúde mental só tende a crescer, afirma a especialista.

As preocupações causadas pela pandemia causam sensação de sobrecarga e cansaço mental, podendo gerar também quadros de ansiedade e depressão.

O psiquiatra Luiz Zoldan lista alguns sinais de alerta:

— É preciso ficar atento a mudanças de comportamento, como vontade de não falar com ninguém, irritabilidade fácil.