Mercado fechado
  • BOVESPA

    109.313,58
    -2.402,42 (-2,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.782,74
    -613,20 (-1,35%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,61
    -2,13 (-2,71%)
     
  • OURO

    1.631,50
    -24,10 (-1,46%)
     
  • BTC-USD

    19.159,92
    +234,13 (+1,24%)
     
  • CMC Crypto 200

    439,85
    +6,75 (+1,56%)
     
  • S&P500

    3.655,04
    -38,19 (-1,03%)
     
  • DOW JONES

    29.260,81
    -329,60 (-1,11%)
     
  • FTSE

    7.020,95
    +2,35 (+0,03%)
     
  • HANG SENG

    17.855,14
    -78,13 (-0,44%)
     
  • NIKKEI

    26.431,55
    -722,28 (-2,66%)
     
  • NASDAQ

    11.301,75
    -75,00 (-0,66%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1793
    +0,0817 (+1,60%)
     

Cansaço causado por pandemia e trabalho remoto levam a vacilos na segurança

·3 min de leitura

O fim do ano está chegando e, com ele, o cansaço de um 2021 inteiro de trabalho, potencializado, ainda pela pandemia ainda existente. Com isso, vem uma menor preocupação com segurança, conforme demonstrado por uma pesquisa cuja conclusão é de que colaboradores estafados e estressados tendem a nem mesmo seguirem as melhores práticas de higiene digital.

O levantamento foi feito pela 1Password, empresa de cibersegurança que desenvolve o gerenciador de senhas do mesmo nome. Segundo o estudo, após quase dois anos em regimes remotos ou híbridos, junto com o temor gerado pelo coronavírus e a alta carga de trabalho, a tendência é de apatia quanto a atitudes como a configuração de senhas completas, uso de mecanismos de autenticação em múltiplo fator ou o download de softwares sem autorização de administradores de TI.

12% dos entrevistados pela pesquisa admitiram usarem a mesma senha, ou pequenas variações, em mais de um serviço corporativo, enquanto 48% confirmaram já terem baixado aplicativos que não foram aprovados por seus gestores. No dado mais preocupante, 20% dos participantes disseram que não seguem as medidas de segurança implementadas por suas organizações por acreditarem que o perigo "não vale a pena o esforço".

Todas são atitudes de risco, que podem levar a brechas em um momento no qual esse aspecto, por si só, já se encontra fragilizado. O pior é que, de acordo com o estudo, isso vale principalmente para os profissionais do setor, com 84% dos especialistas em cibersegurança relatando estarem estafados ou com sintomas de síndrome de burnout, contra 80% dos entrevistados em outros departamentos.

<em>Um em cada cinco profissionais entrevistados afirmam que seguir medidas de segurança "não vale a pena o esforço", enquanto 84% dos especialistas em TI disseram ter sintomas de síndrome de burnout (Imagem: Divulgação/1Password)</em>
Um em cada cinco profissionais entrevistados afirmam que seguir medidas de segurança "não vale a pena o esforço", enquanto 84% dos especialistas em TI disseram ter sintomas de síndrome de burnout (Imagem: Divulgação/1Password)

São eles os responsáveis pela linha de frente da proteção, uma ideia que contrasta diretamente com a afirmação de que um a cada 10 consultados está fazendo apenas o mínimo necessário durante o trabalho. É um comportamento que, de acordo com os especialistas, pode levar a desatenções quanto a falhas mais complexas ou demora na aplicação de atualizações e outras práticas, novamente, abrindo as portas para ataques cibernéticos.

Na visão do 1Password, mais do que malware, ransomware e outras pragas, o fator humano também segue como um grande desafio da estratégia de defesa. A equipe responsável pelo estudo disse que soou como uma surpresa a ideia de que até líderes de setores de cibersegurança estão se sentindo estafados e, por conta disso, acabam não seguindo melhores práticas e colocando toda a organização em risco.

Isso, logicamente, é reflexo do próprio aspecto atual do mercado, em que as ameaças aumentaram exponencialmente e geraram muito mais carga e pressão sobre estes profissionais. Com forças de trabalho atuando de casa, a partir de redes e dispositivos fora do controle dos departamentos, a preocupação aumenta, os riscos também e o resultado dessa mistura pode acabar sendo desastroso.

Entretanto, não é o momento de deixar a peteca cair, muito pelo contrário. A recomendação dos especialistas do 1Password é para que gestores compartilhem as preocupações e orientem seus colaboradores sobre os perigos de se trabalhar de casa e as ameaças digitais da atualidade. Além disso, a ideia é que trabalhem juntos para prevenir a estafa e criar um ambiente de trabalho mais saudável para todos, de forma que as consequências não sejam as piores possíveis.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: