Mercado abrirá em 9 h 41 min
  • BOVESPA

    110.345,82
    +1.857,94 (+1,71%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.376,89
    -141,41 (-0,27%)
     
  • PETROLEO CRU

    109,85
    -0,44 (-0,40%)
     
  • OURO

    1.850,40
    +2,60 (+0,14%)
     
  • BTC-USD

    29.271,39
    -886,93 (-2,94%)
     
  • CMC Crypto 200

    655,87
    -19,00 (-2,82%)
     
  • S&P500

    3.973,75
    +72,39 (+1,86%)
     
  • DOW JONES

    31.880,24
    +618,34 (+1,98%)
     
  • FTSE

    7.513,44
    +123,46 (+1,67%)
     
  • HANG SENG

    20.186,57
    -283,49 (-1,38%)
     
  • NIKKEI

    26.863,33
    -138,19 (-0,51%)
     
  • NASDAQ

    11.869,00
    -166,25 (-1,38%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1297
    -0,0180 (-0,35%)
     

Cannabis pode proteger células cerebrais de danos oxidativos

·1 min de leitura

Um estudo publicado na última quinta-feira (20) na revista científica Free Radical Biology and Medicine sugeriu que o canabinol — CBN, substância extraída da planta Cannabis — tem potencial para proteger céulas cerebrais de danos oxidativos, o que pode acarretar em futuras terapias voltadas ao tratamento de doenças neurodegenerativas, como Alzheimer.

No estudo, a equipe analisou o processo de danos oxidativos nas células cerebrais, que podem ser desencadeados pela perda gradual de um antioxidante chamado glutationa, e tratou as células nervosas com o CBN, introduzindo posteriormente um agente para estimular o dano oxidativo.

Por meio dessa técnica, os cientistas descobriram que o CBN protegeu as mitocôndrias (relacionadas com a produção de energia para a célula). Para confirmar a essa interação, replicaram o experimento em células nervosas que tiveram as mitocôndrias removidas. Nessas células, o CBN não demonstrou mais seu efeito protetor.

Cannabis pode proteger células cerebrais de danos oxidativos (Imagem: Fakurian Design/Unsplash)
Cannabis pode proteger células cerebrais de danos oxidativos (Imagem: Fakurian Design/Unsplash)

Os cientistas notaram que o CBN não ativou os receptores canabinoides, que são necessários para a resposta psicoativa. Em outras palavras, a terapia à base de CBN funcionaria sem causar nenhum dos famosos efeitos psicológicos causados pela Cannabis (que estão presentes em um composto chamado THC).

Além do Alzheimer, essa substância tem potencial para ajudar no tratamento de outras doenças neurodegenerativas, como Parkinson, que também tem relação à perda de glutationa. De qualquer forma, os pesquisadores afirmam que mais estudos são necessários para entender a fundo a interação entre o CBN e as células cerebrais.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos