Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.608,76
    -345,14 (-0,35%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.036,38
    +293,23 (+0,61%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,66
    +2,23 (+2,06%)
     
  • OURO

    1.808,30
    +6,80 (+0,38%)
     
  • BTC-USD

    19.899,81
    +607,42 (+3,15%)
     
  • CMC Crypto 200

    429,24
    +9,10 (+2,17%)
     
  • S&P500

    3.825,33
    +39,95 (+1,06%)
     
  • DOW JONES

    31.097,26
    +321,86 (+1,05%)
     
  • FTSE

    7.232,65
    +64,00 (+0,89%)
     
  • HANG SENG

    21.830,35
    -29,44 (-0,13%)
     
  • NIKKEI

    26.153,81
    +218,19 (+0,84%)
     
  • NASDAQ

    11.554,00
    -57,25 (-0,49%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5480
    -0,0107 (-0,19%)
     

Candiru, o peixe que aterroriza banhistas na Amazônia ao entrar em orifícios

O candiru (Vandellia cirrhosa), pequeno peixe-vampiro da família Trichomycteridae, é uma ameça muito maior do que seus 5 a 12 cm indicam: ele aterroriza banhistas nos rios amazonenses, já que tem o hábito de entrar em orifícios de todos os tipos. Sim, é isso mesmo que você está pensando: ele pode — e costuma — entrar no ânus, vagina e pênis dos seres humanos.

Ele é um parasita hematófago, ou seja, como seu apelido indica, se alimenta do sangue de outros peixes e animais, podendo até parasitar nas brânquias de outras espécies. Há mais de 280 espécies na família do peixe, com cerca de 40 gêneros diferentes. A cabeça e os olhos do bicho são bem pequenos e seu corpo é liso e azulado, permitindo a camuflagem em rios barrentos, como o Madeira, na Amazônia.

Eis o pesadelo dos banhistas nos rios da Amazônia e Rondônia, o candiru, de nome científico Vandellia cirrhosa (Imagem: Murilo Valente-Aguiar et al/Forensic Science Medicine and Pathology)
Eis o pesadelo dos banhistas nos rios da Amazônia e Rondônia, o candiru, de nome científico Vandellia cirrhosa (Imagem: Murilo Valente-Aguiar et al/Forensic Science Medicine and Pathology)

Proteja os genitais

O candiru é atraído por odores, principalmente de sangue e de matéria em decomposição, e, como dito, consegue penetrar na uretra, ânus e vagina dos banhistas. Após entrar, ele se fixa no corpo com espinhos da sua cabeça e utiliza as nadadeiras para dificultar a saída, fazendo com que o hospedeiro tenha de ir até o médico para remoção na maioria das vezes. Em animais mortos no rio, ele entra no corpo e o devora de dentro para fora.

Em Rondônia, há relatos de ao menos 10 casos por ano de penetração do bicho em seres humanos, geralmente larvas, que são menores e tem mais facilidade de entrar em orifícios pequenos. Segundo biólogos e médicos, a maioria dos acidentes ocorrem com mulheres que vão urinar ou entrar nos rios durante o período menstrual.

Um levantamento realizado em Manaus mostrou dois casos graves entre 1990 e 2010: um foi o de um homem que teve o peixe retirado da uretra com lavagens e endoscópios, e o de uma mulher que teve o útero raspado, já que o candiru havia se alojado no órgão. Ela acabou ficando estéril. Famoso, o candiru até já apareceu em séries de TV, como Grey's Anatomy, figurado na radiografia do tweet acima.

Para evitar ataques mais sérios do animal, o indicado é entrar em rios amazônicos apenas com trajes que cubram os órgãos genitais e evitar nadar com ferimentos recentes que possam sangrar, bem como não urinar ou defecar na água. Alguns casos relatados incluem candirus maiores que se fixaram às costas de banhistas, que ficaram feridos após a remoção do peixe. Há, também, situações onde pescadores recolheram peixes sendo predados por candirus.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos