Mercado fechado
  • BOVESPA

    107.735,01
    -3.050,99 (-2,75%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.020,05
    -278,15 (-0,53%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,58
    +0,08 (+0,10%)
     
  • OURO

    1.786,00
    +4,10 (+0,23%)
     
  • BTC-USD

    62.789,91
    -3.045,19 (-4,63%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.491,48
    -43,17 (-2,81%)
     
  • S&P500

    4.549,78
    +13,59 (+0,30%)
     
  • DOW JONES

    35.603,08
    -6,26 (-0,02%)
     
  • FTSE

    7.190,30
    -32,80 (-0,45%)
     
  • HANG SENG

    26.017,53
    -118,49 (-0,45%)
     
  • NIKKEI

    28.653,95
    -54,63 (-0,19%)
     
  • NASDAQ

    15.415,75
    -63,00 (-0,41%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5821
    +0,0011 (+0,02%)
     

Candidatura presidencial pode ser luta mais dura de boxeador filipino Pacquiao

·1 minuto de leitura
Lendário boxeador filipino e atual senador Manny Pacquiao

Por Neil Jerome Morales e Adrian Portugal

MANILA (Reuters) - O lendário boxeador Manny Pacquiao pode ter se inscrito para sua luta mais dura ao decidir concorrer a presidente das Filipinas, já que enfrenta dúvidas sobre sua liderança e seu compromisso como parlamentar que poderiam prejudicar seu apelo e abalar suas ambições.

O presidenciável de 42 anos anunciou a candidatura no domingo, declarando estar pronto para "se mostrar à altura do desafio da liderança" e combater a pobreza e a corrupção.

Campeão mundial de oito divisões, Pacquiao é um patrimônio nacional, mas analistas dizem que ele enfrenta obstáculos enormes para convencer o eleitorado de que pode liderar uma nação assolada por problemas que passam por crimes em geral, corrupção, desastres naturais, extremismo islâmico, infraestrutura obsoleta e burocracia hipertrofiada.

"Será que ele consegue mesmo governar? Ele disse que se cercará de pessoas instruídas, mas no final das contas ainda é o presidente quem decide", disse o analista político Earl Parreño.

Para vencer a eleição de maio de 2022, opinou Parreño, Pacquiao precisa mostrar como ele pode tirar seu país e sua economia em dificuldades de uma das piores epidemias de coronavírus da Ásia.

Pacquiao não é um novato político, já tendo servido como deputado e senador, e venceu eleições com facilidade devido ao seu apelo como um dos maiores boxeadores da história e à sua ascensão da pobreza à riqueza.

Mas "ele ainda não está pronto, e há muitos mais merecedores que estão lá há mais tempo... e têm mais experiência", disse o motorista de táxi de triciclo Edwin Loza, de 65 anos.

(Reportagem adicional de Karen Lema e Enrico Dela Cruz)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos