Mercado abrirá em 1 h 26 min

Candidatos pelo Brasil manifestam comoção e revolta por morte de homem negro em Carrefour no RS

·4 minuto de leitura
João Alberto Silveira Freitas foi espancado até a morte em mercado de Porto Alegre - Foto: Divulgação
João Alberto Silveira Freitas foi espancado até a morte em mercado de Porto Alegre - Foto: Divulgação

A morte de um homem negro no estacionamento do supermercado Carrefour, em Porto Alegre, chocou o Brasil e gerou manifestações dos candidatos às prefeituras das mais diversas cidades do país. João Alberto Silveira Freitas foi brutalmente espancado por seguranças do estabelecimento na noite da última quinta-feira, quando fazia compras com sua esposa.

Na própria capital gaúcha, tanto Manuela d’Ávila, candidata do PCdoB, quanto seu adversário no segundo turno, Sebastião Melo, do MDB, tiveram os caminhos alterados nesta sexta pelo ocorrido. Manuela foi à Praça do Tambor, mas o que era para ser um ato do Dia da Consciência Negra, se transformou, como ela mesma definiu, em “mais um ato de luta, infelizmente necessário”.

Leia também

“O racismo que estrutura as relações de nossa sociedade precisa ser enfrentado de frente. As mulheres e homens brancos precisam assumir a sua responsabilidade na luta antirracista. Quantos Betos? Qual pessoa branca você viu ser vítima dessa violência?”, questionou. “Basta de racismo!”, completou.

Já Sebastião Melo cancelou sua agenda externa, que previa uma caminhada pelo centro da cidade, por luto a João Alberto. “Um absurdo! As cenas são chocantes. Justamente no dia Nacional de luta contra o racismo. Medidas rigorosas devem ser tomadas imediatamente!”, escreveu em sua página no Twitter.

Em São Paulo, maior colégio eleitoral do Brasil, Guilherme Boulos (PSOL) e Bruno Covas (PSDB) também utilizaram as redes sociais para se manifestarem. Atual prefeito da cidade, o “tucano” considerou “inaceitáveis, injustificáveis e repugnantes as cenas de violência em Porto Alegre” e completou: “É inegável o racismo”.

Boulos destacou que “não basta se dizer contra o racismo”, mas “ter práticas antirracistas e estar junto com o movimento negro organizado, lutando por reparação histórica e políticas de combate a este genocídio”. O candidato do PSOL dedicou a mensagem “à memória de João Alberto”.

Veja outras manifestações de candidatos pelo país:

Recife

Marília Arraes (PT)

“É muito triste que justo no dia de hoje estejamos lamentando mais uma morte violenta de uma pessoa negra no Brasil. Toda minha solidariedade aos familiares de João Alberto Silveira Freitas, e que os culpados sejam responsabilizados.”

Manaus

Amazonino Mendes (Podemos)

“Deixo aqui registrada a minha indignação ao acontecimento e todas as minhas redes como um canal aberto para o diálogo de políticas públicas que ajudem a acabar com absurdos como esse. É muito triste que, após uma comoção mundial pedindo respeito, mais um homem morra, da mesma forma, por causa de sua cor. As vidas negras importam e a luta precisa ser cada dia mais forte.”

Belém

Edmilson Rodrigues (PSOL)

“No Brasil das desigualdades, o ódio e o assassinato batem mais forte na cara dos negros e negras. A morte de João Alberto é a face mais triste e desumana do racismo e da cultura da violência alimentada por séculos. A luta antirracista é uma luta pela vida. No Dia da Consciência Negra, mais um assassinato brutal de uma pessoa negra no nosso país. João Alberto Silveira Freitas, de 40 anos, foi espancado até a morte por seguranças do Carrefour, em Porto Alegre. Deixo aqui a minha indignação e que esse crime não fique impune!”.

São Luís

Duarte Júnior (Republicanos)

“Revoltante mais um assassinato de um homem negro na rede Carrefour. Que a justiça seja feita não apenas para João Alberto, mas para todas as pessoas negras que sofrem violência diariamente no Brasil apenas pela cor da pele.”

Vitória

João Coser (PT)

“Um homem espancado até a morte. Um pai de família morto com 80 tiros. Outro com um guarda-chuva na mão que foi confundido com uma arma de fogo. Uma criança morta dentro da própria casa. Os casos parecem ser distintos, mas todos eles têm um denominador comum: a cor de sua pele. Hoje é um dia de reflexão para todo nós como sociedade, momento para pensarmos nos casos de discriminação e violência que acontecem, especialmente com a população negra. Casos como esses estão na estrutura da nossa sociedade e podem ser combatidos através de políticas públicas.”

Goiânia

Vanderlan Cardoso (PSD)

“O espancamento até a morte de João Alberto em um supermercado em Porto Alegre (RS) é mais um alerta no #diadaconsciêncianegra para avançarmos, enquanto humanidade e nação, na luta contra o racismo. Não podemos caminhar para o futuro deixando nossos concidadãos para trás. #Vidasnegrasimportam”.