Mercado fechará em 1 h 48 min

Candidatos para CFA temem adiamento de exame por pandemia

Bloomberg News

(Bloomberg) -- Mesmo na melhor época, a preparação para o exame CFA é uma tarefa árdua. Candidatos que planejam fazer o teste em junho agora precisam lidar com a preocupação adicional de que seus cronogramas de estudo cuidadosamente elaborados possam ser alterados pelo coronavírus.

A pandemia global leva autoridades de todo o mundo a suspender eventos com muitas pessoas, por isso cresce a especulação de que o Instituto CFA (sigla em inglês para Chartered Financial Analyst) possa ser obrigado a cancelar ou adiar os testes de junho, quando milhares de profissionais e estudantes de finanças se concentrariam em grandes locais como em Hong Kong, Londres e Nova York. Muitos candidatos esperam que a certificação permita conseguir melhores empregos, salários mais altos e uma compreensão mais profunda do setor.

O destino do exame está longe de ser a preocupação mais premente quando o vírus infecta milhares de pessoas, sacode os mercados financeiros e empurra a economia global para uma recessão. Mas o exame é importante para candidatos do CFA como Grylls Zhao, que no mês passado deixou o cargo de diretor de risco em um banco internacional em Guangzhou, China, e está fazendo uma pausa para estudar antes de procurar um novo emprego.

“Se cancelarem, significa que preciso esperar mais um ano e estou realmente preocupado com isso”, disse Zhao, que planeja refazer o segundo dos três exames necessários para a certificação de analista financeiro, depois de ter sido reprovado no teste do ano passado.

Espera

O CFA “observa a situação com muito cuidado”, mas ainda não mudou os planos para os exames de junho, afirmou o instituto em resposta por e-mail a perguntas da Bloomberg News. O instituto, que tem sede em Charlottesville, na Virgínia, não quis comentar possíveis planos de contingência.

O setor financeiro global já tomou medidas drásticas para limitar o contato entre funcionários. Bancos como JPMorgan Chase e Citigroup pediram que grande parte da equipe trabalhe em casa. Algumas cidades proibiram eventos públicos. O prefeito de Nova York, Bill de Blasio, disse que a proibição pode durar “vários meses”.

To contact Bloomberg News staff for this story: Kiuyan Wong Hong Kong, kwong739@bloomberg.net;Evelyn Yu Shanghai, yyu263@bloomberg.net

Para entrar em contato com os editores responsáveis: Candice Zachariahs, czachariahs2@bloomberg.net, Michael Patterson, David Scanlan

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.