Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.291,59
    +413,06 (+0,37%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    43.934,21
    +259,38 (+0,59%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,64
    +0,36 (+0,80%)
     
  • OURO

    1.844,80
    +14,60 (+0,80%)
     
  • BTC-USD

    19.470,47
    +521,57 (+2,75%)
     
  • CMC Crypto 200

    382,65
    +8,25 (+2,20%)
     
  • S&P500

    3.666,72
    -2,29 (-0,06%)
     
  • DOW JONES

    29.969,52
    +85,73 (+0,29%)
     
  • FTSE

    6.490,27
    +26,88 (+0,42%)
     
  • HANG SENG

    26.728,50
    +195,92 (+0,74%)
     
  • NIKKEI

    26.809,37
    +8,39 (+0,03%)
     
  • NASDAQ

    12.488,25
    +34,00 (+0,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2562
    -0,0636 (-1,01%)
     

Candidato apadrinhado por atual prefeito é eleito e Salvador perde chance de ter primeira prefeita negra

Alma Preta
·2 minuto de leitura
Bruno Reis (DEM), indicado por ACM Neto, é eleito no primeiro turno com  pelo menos 64% dos votos; Major Denice (PT) ou Olívia Santana (PCdoB) poderia ter sido a primeira mulher negra prefeita da capital baiana.
Bruno Reis (DEM), indicado por ACM Neto, é eleito no primeiro turno com pelo menos 64% dos votos; Major Denice (PT) ou Olívia Santana (PCdoB) poderia ter sido a primeira mulher negra prefeita da capital baiana.

Texto: Nataly Simões

As pesquisas de intenção de voto se confirmaram em Salvador com a eleição de Bruno Reis (DEM) como prefeito, com mais de 770 mil votos. O candidato já atua como vice-prefeito e foi apadrinhado pelo atual prefeito ACM Neto, que busca o governo estadual, em 2022. Em segundo lugar ficou Major Denice (PT), com mais de 228 mil votos, ou seja, 18%.

A expectativa de diversos setores do movimento negro, por exemplo, era de que a capital baiana elegesse pela primeira vez uma mulher negra como prefeita. A cidade, em mais de 400 anos de existência, nunca elegeu democraticamente uma pessoa negra embora cerca de 80% de sua população seja autodeclarada negra.

No pleito de 2020, haviam duas candidatas negras, com trajetórias distintas e ambas de partidos de esquerda. Olívia Santana, do PCdoB, recebeu mais de 54 mil votos, o que corresponde a 4,49% do total. Ela já atuou como vereadora e em 2018 foi a primeira mulher negra eleita deputada estadual da Bahia. Major Denice, do PT, é líder da Ronda Maria da Penha, da Polícia Militar.

Em entrevista ao Alma Preta, durante a campanha, Olívia Santana afirmou que se sentia preparada para ocupar o cargo mais importante da gestão municipal por carregar uma trajetória de militância nos movimentos sociais, além da experiência no legislativo.

Major Denice, também em entrevista à agência de jornalismo, declarou que a PM era apenas uma parte de sua biografia e que sua candidatura resultou de uma mobilização para eleger uma mulher com a cara da população baiana: negra.

Ambas candidatas tinham propostas para diversos setores como educação, saúde, mobilidade urbana e segurança pública. Olívia, por exemplo, é formada em Pedagogia e prometeu investir na educação infantil e para jovens e adultos. Denice, apadrinhada por Rui Costa, governador petista do estado baiano, disse que pretendia articular o governo municipal aos demais setores governamentais responsáveis pela segurança pública.

De acordo com informações do Correio 24 horas, o prefeito eleito em primeiro turno declarou, durante a campanha, que vai se dedicar à população mais pobre. No decorrer do período eleitoral, Bruno Reis já aparecia nas pesquisas com mais de 60% de chances de se eleger.