Mercado fechado

Candidato a vereador é suspenso pelo Novo após dizer que tráfico não deveria ser crime

Anita Efraim
·3 minutos de leitura
Marcelo Castro disse respeitar a decisão do novo, mas mantém opinião de que tráfico não deveria ser crime (Foto: Reprodução/Instagram)
Marcelo Castro disse respeitar a decisão do novo, mas mantém opinião de que tráfico não deveria ser crime (Foto: Reprodução/Instagram)

Marcelo Castro, candidato a vereador em São Paulo pelo partido Novo, foi suspenso pelo partido após se posicionar a favor da descriminalização das drogas e dizer que tráfico não deveria ser crime.

Ao comentar o caso do traficante André Oliveira Macedo, conhecido como André do Rap, ele opinou a favor de Marco Aurélio Mello, ministro do Supremo Tribunal Federal, que mandou soltar o criminoso.

“O tal do ‘André do Rap’ tava preso temporariamente há um ano. A lei é clara: prisão preventiva por mais de 90 dias tem que ser fundamentada. Não foi. Acerta MAM. Ademais, o cara foi preso por tráfico, não por assassinato ou latrocínio. Tráfico nem devia ser crime”, escreveu Castro nas redes sociais.

Leia também

Após uma série de críticas, ele explicou que não sabia que André do Rap era um dos líderes do PCC. “Eu não sabia. Com esse nome, achei que era vendedor de droga de baile funk. Vi as matérias agora, parece grave. Neste caso, há claro risco à garantia da ordem pública. Me retrato pelo tuíte anterior”, justificou.

Após a explicação, Marcelo Castro se posicionou contra a política de guerra às drogas, que acredita que “falhou miseravelmente”. “Penso que a descriminalização com conscientização é o melhor caminho. Defendo o estado democrático de direito”, escreveu.

“O grande erro do meu tuíte foi opinar sem ler o caso de André do Rap. Fosse um pequeno contraventor, não haveria problema algum no que escrevi. Defendo a descriminalização justamente para que criminosos perigosos saiam do mercado. O PCC só existe por causa do estado.”

Leia mais sobre a eleição para vereadores:

Nesta quarta-feira, 14, Marcelo Castro anunciou que teve a filiação suspensa pelo Novo. “Discordo, mas respeito a decisão do partido. A instituição estará sempre acima da opinião de qualquer filiado. A minha opinião de que ‘tráfico não deveria ser crime’ permanece e fico feliz de contribuir neste debate, ainda que tenha me expressado mal. Agradeço as mensagens de apoio!”, publicou.

Em nota, o diretório estadual do Novo afirmou que a suspensão é liminar e será julgada na Comissão de Ética Partidária. Sobre o motivo, a legenda disse apenas que se devem a “posicionamentos recentes” de Marcelo Castro.

Leia a nota completa:

O Diretório Nacional informa ao Diretório Municipal e aos filiados da cidade de São Paulo que foi comunicado pela Comissão de Ética Partidária (CEP) da sua decisão pela suspensão em caráter liminar dos direitos do filiado Marcelo Castro, atual candidato ao cargo de vereador na cidade de São Paulo, até o julgamento do mérito do processo administrativo nº 2020/015, referente a seus posicionamentos recentes.

O candidato deve abster-se de quaisquer atos de campanha, uma vez que não mais detém uma filiação ativa e vigente no âmbito partidário.

O Diretório Nacional reitera sua confiança nas decisões da CEP, sua transparência com o processo e o respeito à defesa do denunciado.