Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.575,47
    +348,38 (+0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    41.674,30
    -738,17 (-1,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,53
    -0,18 (-0,39%)
     
  • OURO

    1.788,10
    -23,10 (-1,28%)
     
  • BTC-USD

    17.108,62
    +383,83 (+2,29%)
     
  • CMC Crypto 200

    333,27
    -4,23 (-1,25%)
     
  • S&P500

    3.638,35
    +8,70 (+0,24%)
     
  • DOW JONES

    29.910,37
    +37,90 (+0,13%)
     
  • FTSE

    6.367,58
    +4,65 (+0,07%)
     
  • HANG SENG

    26.894,68
    +75,23 (+0,28%)
     
  • NIKKEI

    26.644,71
    +107,40 (+0,40%)
     
  • NASDAQ

    12.257,50
    +105,25 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3746
    +0,0347 (+0,55%)
     

Candidata a vereadora denuncia Russomanno na justiça por falas racistas

Alma Preta
·2 minuto de leitura
Candidato à Prefeitura de São Paulo usou justificativa de “mãe de leite”, amigos e ex-namorada negra para desqualificar debate sobre racismo ao ser questionado sobre crítica à campanha sobre a Consciência Negra. Foto: Douglas Gomes
Candidato à Prefeitura de São Paulo usou justificativa de “mãe de leite”, amigos e ex-namorada negra para desqualificar debate sobre racismo ao ser questionado sobre crítica à campanha sobre a Consciência Negra. Foto: Douglas Gomes

Texto: Juca Guimarães Edição: Nataly Simões

A candidata a vereadora de São Paulo, Elaine Mineiro (PSOL), do mandato coletivo Quilombo Periférico, ingressou com representação criminal contra Celso Russomanno (Republicanos) por racismo. A ação ocorre após o candidato a prefeito deslegitimar nesta semana uma ação da Prefeitura contra o racismo a classificando como “vandalismo” e ao tentar contornar a fala afirmando que não é racista.

Em sua denúncia, Elaine também alega que Russomanno incorre na prática de incitação ao crime de racismo através dos seus meios de comunicação e solicita que a promotoria criminal bloqueie todas as mídias sociais do candidato.

Há pouco mais de uma semana da eleição municipal na maior cidade do país, onde 35,3% da população negra, Russomanno usou as redes sociais para criticar uma campanha para o mês da Consciência Negra feita pela Prefeitura, chefiada por Bruno Covas (PSDB), que tenta se reeleger. A gestão municipal colocou nos semáforos da cidade, em locais históricos de resistência contra o racismo, imagens de punhos fechados.

Na ação judicial, a candidata à vereadora destaca que os punhos são símbolo de ato de resistência da população negra, para demonstrar unidade, força, como nas Olimpíadas do México de 1968, quando no auge da luta pelos Direitos Civis, os atletas norte-americanos Tommie Smith e John Carlos protestaram no pódio, se utilizando deste gesto.

Ao ser questionado em sabatina do UOL e da Folha, nesta sexta-feira (6), sobre sua manifestação contra a campanha, Russomanno afirmou que foi criado por uma “mãe de leite negra” e que não vê diferença entre negros e brancos.

“Tenho grandes amigos que são negros. E tive namorada, inclusive. Eu não tenho problema nenhum com isso. Agora, a prefeitura não pode fazer uma campanha e não dizer para população o que é que ela está fazendo”, disse o candidato a prefeito, que está caindo nas pesquisas de intenção de voto dos paulistanos e pode perder a vaga no segundo turno para Guilherme Boulos, do PSOL.

Ainda segundo Elaine, Russomano está não somente praticando o racismo como incitando a prática de tal crime “dada a influência do mesmo por ser figura pública com cerca de 143 mil seguidores apenas na rede social Twitter, por ter quadro televisivo e por ser Deputado Federal”.

Conforme apurado pelo Alma Preta, a falta de afinidade do candidato a prefeito com pautas de combate ao racismo se reflete também em seu plano de governo registrado na Justiça Eleitoral, com propostas de trabalho de 2021 a 2024, em uma eventual vitória.

Nas 45 folhas do documento, não aparece uma única vez as expressões “população negra”, “racismo”, “negro” e “racial”. A única citação sobre “discriminação” aparece numa proposta genérica que fala em combate à violência nas escolas.