Mercado fechará em 6 h 3 min
  • BOVESPA

    110.086,80
    +972,64 (+0,89%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.893,62
    +85,06 (+0,19%)
     
  • PETROLEO CRU

    77,91
    +1,20 (+1,56%)
     
  • OURO

    1.644,10
    +10,70 (+0,66%)
     
  • BTC-USD

    20.220,50
    +1.044,57 (+5,45%)
     
  • CMC Crypto 200

    462,31
    +3,17 (+0,69%)
     
  • S&P500

    3.695,65
    +40,61 (+1,11%)
     
  • DOW JONES

    29.508,51
    +247,70 (+0,85%)
     
  • FTSE

    7.044,20
    +23,25 (+0,33%)
     
  • HANG SENG

    17.860,31
    +5,17 (+0,03%)
     
  • NIKKEI

    26.571,87
    +140,32 (+0,53%)
     
  • NASDAQ

    11.537,25
    +221,00 (+1,95%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1617
    -0,0177 (-0,34%)
     

Cancelamento do leilão de energia não preocupa, diz ONS, que estuda horário de verão

Torres de linhas de transmissão de energia

SÃO PAULO (Reuters) - O cancelamento do leilão que seria realizado neste ano para contratar mais potência ao setor elétrico brasileiro não traz problemas ao atendimento dos consumidores no curto e médio prazo, segundo o diretor-geral do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), Luiz Carlos Ciocchi.

Para ele, embora o órgão tenha identificado um déficit de potência para daqui cinco anos, o governo pode esperar até o próximo ano para realizar esse certame de forma mais "robusta" e eventualmente sob novas diretrizes.

"Ele (o leilão) vai ser feito obviamente no futuro, ano que vem, com outros estudos e datas, para que a gente possa fazer a coisa com mais tranquilidade", disse Ciocchi a jornalistas em São Paulo, após participação em evento da Associação da Indústria de Cogeração de Energia (Cogen).

O Ministério de Minas e Energia anunciou na véspera o cancelamento de três leilões de energia que estavam previstos para este ano. No caso do leilão de potência, a justificativa foi de que a pasta está estudando uma forma de viabilizar um certame pautado pela "neutralidade tecnológica" --isto é, que permita a concorrência de diferentes fontes de geração de energia.

"Há oportunidade de aproveitar todos os aprendizados do ano passado e de lá fora para fazer um leilão mais robusto", disse o diretor do ONS, exemplificando com novos mecanismos e tecnologias do setor elétrico, como geração distribuída, armazenamento e resposta da demanda.

HORÁRIO DE VERÃO

Ciocchi comentou ainda que o ONS está concluindo estudos solicitados pelo governo sobre o retorno do horário de verão, e que um diagnóstico deverá ser apresentado na próxima reunião do Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE), que está prevista para 5 de outubro.

Criado com o objetivo de reduzir o consumo de energia elétrica em momentos de pico, o horário de verão acabou sendo suspenso pelo governo Bolsonaro em 2019, sob a justificativa de que tinha deixado de produzir resultados do ponto de vista do setor elétrico.

Ciocchi disse, no entanto, que de 2021 para cá o ONS identificou uma mudança "gritante" associada à expansão da geração distribuída de energia. A proliferação desse segmento, principalmente a partir de painéis solares instalados em casas e terrenos, afetou a curva de energia elétrica e levou à necessidade de reavaliação sobre o horário de verão.

(Por Letícia Fucuchima)