Mercado fechado

Canal falso da SpaceX no YouTube promete bitcoins usando nome de Elon Musk

Patrícia Gnipper

Golpistas estão sempre atentos aos acontecimentos do momento, aproveitando-se dos "burburinhos" para se dar bem em cima dos menos atentos — ou mais ingênuos, por assim dizer. Desta vez, o lançamento histórico que a SpaceX fez para a NASA no final de maio foi usado como chamariz para que criminosos recebessem valores em Bitcoin, prometendo retornar uma porcentagem e, claro, jamais o fazendo. "Foi", porque o YouTube removeu o canal falso enquanto estávamos redigindo esta notícia.

O que rolou foi o seguinte: a NASA e a SpaceX fizeram uma transmissão ao vivo com mais de 9 horas de duração, mostrando desde os bastidores até o lançamento da nave Crew Dragon, levando consigo dois astronautas da agência espacial estadunidense à Estação Espacial Internacional. A transmissão, que rolou no dia 30 de maio, bateu o recorde como o evento online mais assistido da NASA. Por isso, golpistas quiseram embarcar nessa onda para se dar bem.

Eles então criaram, nesta terça (9), um canal falso da SpaceX no YouTube, transmitindo mais de 3 horas (até o momento da remoção de seu canal) do programa que a NASA exibiu no dia 30 de maio. No vídeo, eles colocaram ainda uma imagem de Elon Musk dizendo que ele devolveria 5.000 BTC no total, e tudo o que os espectadores precisariam fazer era acessar o endereço da carteira dos criminosos ou usar um QR code para fazer a "doação", recebendo algumas moedas virtuais em troca — como num esquema de pirâmide, para fazer uma comparação.

(Captura de tela: Canaltech)

Até mesmo um site igualmente fake foi criado para tentar legitimar o golpe. Ali, os criminosos falaram o seguinte: "Em uma época com uma crise global como esta, a SpaceX está aqui para oferecer a todos a ajuda que podemos dar. Entendemos as incertezas financeiras que algumas pessoas podem estar enfrentando agora, e decidimos dar 5.000 Bitcoin, em nossa melhor tentativa de ajudá-los".

Site falso usando nome da SpaceX e de Elon Musk para aplicar golpes com bitcoins (Captura de tela: Canaltech)

Bom, apesar de o canal falso da SpaceX no YouTube parecer legítimo à primeira vista, usando a mesma grafia do nome da empresa, mesmo logotipo e mesma foto de capa, seria fácil perceber a fraude. Primeiro que o usuário verdadeiro do YouTube da SpaceX é "spacexchannel", enquanto o usuário fake era "MaximSakulevich". Segundo, o canal falso tinha um único vídeo no catálogo, que justamente era a da live onde o golpe estava rolando. Já no canal oficial da empresa de Musk, há anos e anos de conteúdos disponíveis para o público ver e rever, acumulando mais de 355 milhões de visualizações.

No instante em que o YouTube removeu o canal que tentava se passar pela SpaceX para aplicar golpes com Bitcoin, a transmissão ao vivo acumulava 21.516 visualizações. Poucos minutos após a remoção do canal em questão, os criminosos já criaram um novo canal com o mesmo golpe. Desta vez, o nome escolhido foi "Live SpaceX" e, no momento da redação desta nota, mais de 200 pessoas estavam assistindo à transmissão, como você pode conferir abaixo. Logo depois, vídeo e canal também foram removidos.

(Captura de tela: Canaltech)

Ainda assim, outro site que tenta legitimar o golpe também foi colocado no ar:

(Captura de tela: Canaltech)

Essa não é a primeira vez que o nome do fundador da SpaceX e da Tesla é usado por golpistas na internet. Em março de 2018, um perfil falso de Musk no Twitter foi criado para aplicar um golpe similar ao que, agora, está rolando no YouTube. O "Elon Musk pirata" pedia que fossem feitas doações em Bitcoin, prometendo devolver uma porcentagem a todos — algo que, obviamente, não acontecia. E mesmo que a rede social tenha excluído o perfil golpista, diversos outros continuaram a ser criados para aplicar tal golpe, sempre usando o nome de Musk para isso. O problema se tornou tão preocupante que o Twitter decidiu, em julho daquele ano, derrubar automaticamente qualquer perfil com o nome de Elon Musk — que não fosse o verdadeiro, claro.

Pelo visto, a bola da vez é o YouTube, e resta ver que medidas o Google, dono da plataforma de vídeos, tomará para coibir a prática dos golpistas por lá, caso continuem criando mais canais e usando a imagem da SpaceX e de seu CEO para praticar crimes na internet.


Fonte: Canaltech