Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.880,82
    +1.174,91 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.219,26
    +389,95 (+0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,51
    +1,69 (+2,65%)
     
  • OURO

    1.844,00
    +20,00 (+1,10%)
     
  • BTC-USD

    48.082,52
    -2.581,49 (-5,10%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,33
    +39,77 (+2,93%)
     
  • S&P500

    4.173,85
    +61,35 (+1,49%)
     
  • DOW JONES

    34.382,13
    +360,68 (+1,06%)
     
  • FTSE

    7.043,61
    +80,28 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,90 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.398,00
    +297,75 (+2,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4040
    -0,0085 (-0,13%)
     

Canadá reporta novo caso de coágulos sanguíneos após vacinação com AstraZeneca

·1 minuto de leitura
Canadá reporta novo caso de coágulos sanguíneos após vacinação com AstraZeneca

O Canadá anunciou no sábado (17) que identificou um segundo caso em uma semana de coágulos sanguíneos, depois de uma inoculação com a vacina da AstraZeneca, embora continue recomendando seu uso.

O caso foi observado em uma pessoa residente na província de Alberta (oeste), que recebeu a versão do imunizante desenvolvida pelo Serum Institute na Índia, Covishield, relataram funcionários de saúde no Twitter.

"A pessoa recebeu tratamento e está se recuperando", acrescentaram.

Na terça-feira passada, foi anunciado um primeiro caso, o de um cidadão de Québec também imunizado com a mesma vacina.

As formações de coágulos de sangue como resultado da vacina da AstraZeneca "continuam sendo muito raras", e o Canadá continua considerando que "os benefícios das vacinas (...) superam os riscos potenciais", disseram as autoridades sanitárias.

No final de março, o Comitê Assessor Nacional de Imunização recomendou às províncias suspender o uso do imunizante da AstraZeneca em menores de 55 anos para avaliar os riscos.

O Canadá se encontra no meio de uma terceira onda de contágios.

Desde o início da pandemia, o país acumula mais de 1,1 milhão de infecções e cerca de 23.500 mortes.

om/cn/dg/mls/tt