Mercado fechado
  • BOVESPA

    109.114,16
    -2.601,84 (-2,33%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.808,56
    -587,38 (-1,29%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,96
    +0,25 (+0,33%)
     
  • OURO

    1.636,60
    +3,20 (+0,20%)
     
  • BTC-USD

    19.274,97
    +400,01 (+2,12%)
     
  • CMC Crypto 200

    442,85
    +9,75 (+2,25%)
     
  • S&P500

    3.655,04
    -38,19 (-1,03%)
     
  • DOW JONES

    29.260,81
    -329,60 (-1,11%)
     
  • FTSE

    7.020,95
    +2,35 (+0,03%)
     
  • HANG SENG

    17.855,14
    -78,13 (-0,44%)
     
  • NIKKEI

    26.594,56
    +163,01 (+0,62%)
     
  • NASDAQ

    11.390,25
    +74,00 (+0,65%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1666
    -0,0128 (-0,25%)
     

Canadá aprova vacina da Moderna contra variante ômicron da covid

O Canadá aprovou nesta quinta-feira (1) a nova versão da vacina anticovid da Moderna visando especificamente a variante ômicron.

A autoridade de saúde canadense Health Canada disse que os ensaios clínicos da nova vacina mostraram respostas imunes "significativamente mais altas" do que sua antecessora contra a variante ômicron, agora dominante.

O Canadá já comprou 12 milhões de doses deste novo imunizante e espera iniciar a aplicação no final de setembro, explicou Howard Njoo, vice-diretor federal de saúde pública, durante entrevista coletiva.

A nova vacina tem como alvo a cepa original do coronavírus e a variante BA.1, que causou a quinta onda de infecções no país no final do ano passado. Também oferece melhor proteção contra as linhagens BA.4 e BA.5 da variante ômicron.

Novas versões de imunizantes anticovid adaptadas à variante ômicron também acabam de ser aprovadas pela União Europeia e pelos Estados Unidos.

A nova vacina da Moderna será destinada a pessoas com mais de 12 anos que receberam pelo menos uma primeira dose contra a covid-19.

Embora as vacinas tenham ajudado a reduzir hospitalizações e mortes por esse vírus identificado pela primeira vez na China no final de 2019, as imunizações atuais visam principalmente cepas mais antigas da doença.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) alertou em julho que a pandemia estava "longe de terminar", devido à disseminação de subvariantes da ômicron, à suspensão das restrições sanitárias e ao declínio nos testes de triagem.

amc/dg/jc/mvv