Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.348,80
    -3.131,73 (-2,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.892,28
    -178,63 (-0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,04
    -1,53 (-2,86%)
     
  • OURO

    1.827,70
    -23,70 (-1,28%)
     
  • BTC-USD

    37.330,86
    +1.225,02 (+3,39%)
     
  • CMC Crypto 200

    701,93
    -33,21 (-4,52%)
     
  • S&P500

    3.768,25
    -27,29 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    30.814,26
    -177,26 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.735,71
    -66,25 (-0,97%)
     
  • HANG SENG

    28.573,86
    +77,00 (+0,27%)
     
  • NIKKEI

    28.519,18
    -179,08 (-0,62%)
     
  • NASDAQ

    12.759,00
    -142,00 (-1,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3926
    +0,0791 (+1,25%)
     

Campos reforça mensagem de cautela na política monetária em evento no México

Estevão Taiar

Sinalização já havia sido reforçada pelo BC após a reunião do Copom de dezembro O presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, reforçou nesta quarta-feira que "o atual estágio do ciclo econômico recomenda cautela na condução da política monetária". Ele participa do evento Santander’s 24th Latin America Conference, em Cancún, no México. Atualmente, a Selic está em 4,5% ao ano. A necessidade de cautela na condução da taxa básica de juros já havia sido reforçada pelo Comitê de Política Monetária (Copom) do BC após a sua última reunião, em dezembro. "Os próximos passos [da política monetária] continuarão dependendo da evolução da atividade econômica, do balanço de riscos e das projeções e expectativas de inflação", diz também a apresentação realizada por Campos Neto nesta quarta-feira e divulgada pelo BC. Ele reforçou que "as condições econômicas prescrevem política monetária estimulativa", ou seja, com a taxa básica de juros abaixo do seu nível estrutural. A taxa de juros estrutural é aquela que leva ao máximo de crescimento da atividade sem gerar pressão inflacionária. No evento, Campos Neto também destacou positivamente a queda de 0,27% do índice de inadimplência entre novembro do ano passado e o mesmo período de 2018. Segundo ele, o número representa "a reversão de uma tendência negativa observada em 2018". Entre as razões para a queda da inadimplência, o presidente do BC citou a liberação de recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e "eventos especiais para a renegociação de dívidas". As instituições financeiras realizaram no ano passado um mutirão de renegociações. Para renegociar seus débitos, os clientes precisavam em troca fazer um pequeno curso de educação financeira. O BC pretende realizar outros dois mutirões semelhantes neste ano.