Mercado fechado
  • BOVESPA

    100.763,60
    +2.091,34 (+2,12%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.294,83
    +553,33 (+1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,14
    +0,57 (+0,52%)
     
  • OURO

    1.823,80
    -1,00 (-0,05%)
     
  • BTC-USD

    20.845,42
    -274,59 (-1,30%)
     
  • CMC Crypto 200

    455,80
    -6,00 (-1,30%)
     
  • S&P500

    3.900,11
    -11,63 (-0,30%)
     
  • DOW JONES

    31.438,26
    -62,42 (-0,20%)
     
  • FTSE

    7.258,32
    +49,51 (+0,69%)
     
  • HANG SENG

    22.229,52
    +510,46 (+2,35%)
     
  • NIKKEI

    26.871,27
    +379,30 (+1,43%)
     
  • NASDAQ

    12.067,50
    +27,00 (+0,22%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5281
    -0,0243 (-0,44%)
     

Campos Neto vê inflação contaminada e defende elevação da Selic em audiência na Câmara

***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 01.10.2020 - O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 01.10.2020 - O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, defendeu nesta terça-feira (31) a elevação da taxa básica de juros (Selic) diante da pressão inflacionária persistente observada em energia e alimentos e da contaminação do restante das cadeias.

"Algumas pessoas podem dizer que, se é uma inflação de energia e alimentos, o Banco Central não deveria estar subindo os juros porque são elementos muito voláteis que eventualmente vão cair. O problema é que, quando você tem elementos voláteis que ficam com um preço alto por muito tempo, eles começam a contaminar o resto da cadeia e os núcleos começam a subir. É isso que o Banco Central tem feito", disse Campos Neto em audiência pública na Comissão de Defesa do Consumidor da Câmara dos Deputados.

O presidente do BC disse que o Brasil enfrenta uma inflação bastante alta, com o núcleo batendo 9,55%, e uma contaminação grande.

A audiência, pedida pelo deputado Silvio Costa Filho (Republicanos-PE), tinha o objetivo de discutir medidas de combate à inflação e o aumento da Selic.

No acumulado em 12 meses até abril, o IPCA ficou em 12,13%, maior nível desde outubro de 2003 (13,98%). Na terça-feira da semana passada (24), o IPCA-15 (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15) atingiu 12,20%, com elevação de 0,59% em maio, ante alta de 1,73% no mês anterior, informou o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). O indicador veio acima do esperado pelo mercado.

Segundo Campos Neto, "a inflação é o pior elemento em termos de distribuição de renda e planejamento". O trabalho do BC, afirmou, é fazer o máximo para trazer o indicador para a meta –ainda que a autoridade monetária já tenha reconhecido que há alta probabilidade de estouro em 2022 pelo segundo ano consecutivo.

O objetivo fixado pelo CMN (Conselho Monetário Nacional) a ser perseguido pelo BC para este ano é de 3,5% —com 1,5 ponto percentual de tolerância para mais ou para menos.

No dia 4 de maio, o Copom (Comitê de Política Monetária) do BC elevou a Selic em 1 ponto percentual, a 12,75% ao ano. Para a próxima reunião, em junho, sinalizou uma provável alta adicional de menor magnitude. Considerando a defasagem dos efeitos da política monetária sobre a economia, o BC já mira 2023 como horizonte.

"Nosso trabalho é sempre fazer o máximo possível para a inflação estar na meta, mas sempre olhando o que consigo fazer para que esse processo aconteça com o mínimo de destruição do tecido produtivo da economia. Essa é a grande tarefa", afirmou aos parlamentares.

Na audiência, Campos Neto destacou que o crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) para 2022 deve ser revisto para cima. No último relatório trimestral de inflação, o BC estimava alta de 1% do PIB para este ano. Os economistas, por sua vez, mostraram mais otimismo recentemente e passaram a projetar alta de 1,5% ou 2%.

"Quando a gente olha as projeções do FMI, o Brasil é um dos únicos casos que a previsão de crescimento subiu nos últimos meses para o ano de 2022. Aliás, vai subir mais do que está aqui, a gente teve reuniões na semana passada com economistas, a média dos economistas de mercado já está entre 1,5% e 2%", disse.

Quanto ao mercado de trabalho, o presidente do BC falou em surpresa positiva no dado informado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) nesta terça.

Segundo o instituto, a taxa de desocupação recuou para 10,5% no trimestre encerrado em abril. É a menor marca para o período desde 2015 (8,1%), quando a economia enfrentava uma recessão.

De acordo com Campos Neto, já é possível vislumbrar um nível de desemprego abaixo de dois dígitos neste ano.

"A gente gerou mais empregos com renda menor, essa é a realidade, mas tem sido um movimento de geração de emprego surpreendente nos últimos meses", afirmou.

"A gente está começando a falar de desemprego neste ano que vai ser abaixo de dois dígitos, lembrando que antes da pandemia ele estava em 12%. A gente está com nível de desemprego bem melhor do que antes da pandemia", acrescentou.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos