Mercado abrirá em 2 h 50 min
  • BOVESPA

    122.937,87
    +1.057,05 (+0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.371,98
    +152,72 (+0,31%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,77
    +0,50 (+0,75%)
     
  • OURO

    1.868,50
    +0,90 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    44.891,92
    -389,00 (-0,86%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.247,93
    +50,01 (+4,17%)
     
  • S&P500

    4.163,29
    -10,56 (-0,25%)
     
  • DOW JONES

    34.327,79
    -54,34 (-0,16%)
     
  • FTSE

    7.056,46
    +23,61 (+0,34%)
     
  • HANG SENG

    28.593,81
    +399,72 (+1,42%)
     
  • NIKKEI

    28.406,84
    +582,01 (+2,09%)
     
  • NASDAQ

    13.408,75
    +105,25 (+0,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4422
    +0,0323 (+0,50%)
     

Campos Neto vê energia contaminando núcleo de inflação

Andrew Rosati
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- O Banco Central do Brasil começou a apertar a política monetária no mês passado, depois que uma alta nos preços de commodities e energia passou a impactar o núcleo da inflação, disse o presidente da instituição monetária Roberto Campos Neto em entrevista.

“Entendemos que esse processo teve alguma contaminação nos números do núcleo da inflação”, disse Campos Neto, 51, em entrevista à TV Bloomberg na noite desta terça-feira. “Nós nos mantemos vigilantes sobre como esse processo está se desenvolvendo.”

O Banco Central está tentando conter o aumento da inflação sem sufocar a recuperação da maior economia da América Latina. É um equilíbrio especialmente delicado para atingir enquanto o país tem um dos maiores números de mortes pela doença. Ao mesmo tempo, os investidores estão preocupados com aumento de gastos e tendências populistas do presidente Jair Bolsonaro.

A capacidade de Campos Neto de equilibrar os dois desafios pode definir sua carreira à frente da autoridade monetária. Desde que assumiu o cargo em 2019, o ex-executivo do Banco Santander SA foi responsável por cortes profundos nos custos de empréstimos com o objetivo de tirar o Brasil da crise causada pelo novo coronavírus.

Mas com a inflação anual atualmente em alta de 6,10%, bem acima da meta de 3,75% estabelecida para este ano e no maior nível em quatro anos, a preocupação mudou e agora versa sobre o poder de compra em erosão da população. Em março, a autoridade monetária subiu em 0,75 ponto percentual a taxa de juros, maior elevação em uma década, e sinalizou outro aumento da mesma magnitude em maio, o que levaria a Selic para 3,5%.

Esse nível ainda está abaixo do que muitos investidores acreditam ser necessário para manter a inflação sob controle, especialmente após uma nova rodada de auxílio emergencial. Traders avaliam que o Banco Central levará a taxa básica de juros para mais de 6% até o final do ano, enquanto economistas consultados pelo BC preveem que os custos dos empréstimos ficarão em 5,25% em dezembro.

Enquanto isso, não há sinais de que uma nova e mais letal onda do vírus vai arrefecer em breve. O Brasil bateu recordes diários de mortes de Covid-19 duas vezes na semana passada, e os hospitais em todo o país estão lotados com pacientes contaminados pelo vírus.

Título em inglês:Brazil Central Bank Chief Says Energy Prices Hit Core Inflation

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.