Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.976,70
    -2.854,30 (-2,55%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.668,64
    -310,36 (-0,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    75,86
    -0,42 (-0,55%)
     
  • OURO

    1.751,90
    -2,10 (-0,12%)
     
  • BTC-USD

    16.464,09
    -6,51 (-0,04%)
     
  • CMC Crypto 200

    387,07
    +4,42 (+1,15%)
     
  • S&P500

    4.026,12
    -1,14 (-0,03%)
     
  • DOW JONES

    34.347,03
    +152,93 (+0,45%)
     
  • FTSE

    7.486,67
    +20,07 (+0,27%)
     
  • HANG SENG

    17.573,58
    -87,32 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    28.169,49
    -113,54 (-0,40%)
     
  • NASDAQ

    11.706,50
    -76,25 (-0,65%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6174
    -0,0070 (-0,12%)
     

Campo magnético da Terra pode ter surgido com impacto que formou a Lua

Um novo estudo sugere que o campo magnético da Terra pode ter relação com um impacto ocorrido há cerca de 4,5 bilhões de anos, quando a Terra colidou com Theia, um planeta do tamanho de Marte. As análises foram conduzidas por uma equipe liderada por Fausto Cattaneo, astrofísico da Universidade de Chicago, e os pesquisadores propõem que o campo magnético terrestre deve ter sido formado no início da evolução do nosso planeta.

A tal colisão é considerada uma das possíveis responsáveis pela formação da Lua, por sinal. De acordo com a chamada “hipótese do impacto gigante”, o impacto liberou grandes porções de material, que se uniram e deram origem ao nosso satélite natural. Entretanto, a hipótese que o relaciona ao campo magnético não foi tão amplamente explorada.

Chamado "Theia", o objeto tinha tamanho parecido com o de Marte (Imagem: Reprodução/NASA/JPL-Caltech)
Chamado "Theia", o objeto tinha tamanho parecido com o de Marte (Imagem: Reprodução/NASA/JPL-Caltech)

O campo magnético do nosso planeta vem de um processo de geodínamo em que, resumidamente, o planeta gira a determinada velocidade com um fluido em seu interior, capaz de conduzir eletricidade. No núcleo externo da Terra, formado por ferro derretido, ocorre a conversão da energia elétrica para a magnética.

Com isso, o campo induz as correntes elétricas e estas, por sua vez, geram o campo magnético — o que os cientistas não sabem exatamente é como este processo, que é autossustentável, começou. Para descobrir se o campo magnético já existia antes do impacto ou se surgiu depois, os autores do estudo destacam que é preciso compreender diferentes fatores.

Entre eles, estão os tipos de impactos capazes de deixar um núcleo planetário líquido altamente magnetizado. Além disso, eles também acreditam ser necessário entender se a remoção da crosta e/ou do manto terrestre pelo impacto poderia criar as condições necessárias para o processo de convecção no núcleo.

A equipe destaca que não está claro se o impacto formou o dínamo ou se a rotação da Terra o originou, quando ainda estava no início de sua evolução. “Nossa hipótese é que [o campo magnético] chegou a este estado peculiar no começo, antes ou depois do impacto”, disse David Hughes, coautor do estudo. Por isso, mais estudos serão necessários para restringir em que momento aconteceu a formação do campo magnético terrestre.

O artigo com os resultados do estudo foi publicado na revista Proceedings of the National Academy of Sciences.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: