Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.829,27
    +902,93 (+0,92%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.771,12
    -56,81 (-0,11%)
     
  • PETROLEO CRU

    69,20
    -0,76 (-1,09%)
     
  • OURO

    1.981,00
    -14,90 (-0,75%)
     
  • Bitcoin USD

    27.458,39
    -725,94 (-2,58%)
     
  • CMC Crypto 200

    597,33
    -21,06 (-3,41%)
     
  • S&P500

    3.970,99
    +22,27 (+0,56%)
     
  • DOW JONES

    32.237,53
    +132,28 (+0,41%)
     
  • FTSE

    7.405,45
    -94,15 (-1,26%)
     
  • HANG SENG

    19.915,68
    -133,96 (-0,67%)
     
  • NIKKEI

    27.385,25
    -34,36 (-0,13%)
     
  • NASDAQ

    12.922,75
    +68,75 (+0,53%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6520
    -0,0780 (-1,36%)
     

Campo magnético da grande teia cósmica é mapeado pela primeira vez

Pela primeira vez, os cientistas conseguiram observar as ondas de choque permeando a teia cósmica, a maior estrutura do universo. A descoberta revela os campos magnéticos dos filamentos de gás da teia e ajudará a desvendar mistérios como a expansão do cosmos.

A teia cósmica é uma enorme rede de filamentos de gás, poeira e matéria escura, responsável por alimentar a formação de galáxias. Por se tratar da maior estrutura em grande escala do universo, não é exatamente fácil observá-la.

Quando os filamentos imensos da teia cósmica se aproximam devido à gravidade, ondas de choque são produzidas devido à fusão da matéria dessas estruturas. As ondas aceleram as partículas, amplificando os campos magnéticos intergalácticos.

Com essa amplificação, os campos magnéticos emitem um brilho de ondas de rádio, por isso, para rastrear os filamentos, os cientistas mapearam esses campos magnéticos por meio de radiotelescópios.

Composição feita com imagens de três simulações usando dados anteriores e as ondas de rádio polarizadas (Imagem: Reprodução/F. Vazza/D. Wittor/J. West)
Composição feita com imagens de três simulações usando dados anteriores e as ondas de rádio polarizadas (Imagem: Reprodução/F. Vazza/D. Wittor/J. West)

Para refinar ainda mais a busca, a equipe do estudo usou um polarizador de luz, um filtro que permite apenas a passagem de fótons com uma orientação específica. Esse método é útil para bloquear ondas de luz indesejáveis, como ruídos de fundo.

Assim, eles usaram mapas de todo o céu em ondas de rádio e obtiveram uma imagem dos campos magnéticos da teia cósmica. O resultado pode agora ser comparado com simulações cosmológicas mais modernas, que agora contam com previsões da luz de rádio polarizada produzidas por ondas de choque.

O estudo pode ser usado por outros cientistas para estudos sobre a expansão do universo e a origem do magnetismo cósmico. A pesquisa foi publicada na revista Science Advances.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: