Mercado fechado
  • BOVESPA

    114.647,99
    +1.462,52 (+1,29%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.798,38
    +658,14 (+1,26%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,66
    +1,35 (+1,66%)
     
  • OURO

    1.768,10
    -29,80 (-1,66%)
     
  • BTC-USD

    61.169,39
    +408,47 (+0,67%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.464,06
    +57,32 (+4,07%)
     
  • S&P500

    4.471,37
    +33,11 (+0,75%)
     
  • DOW JONES

    35.294,76
    +382,20 (+1,09%)
     
  • FTSE

    7.234,03
    +26,32 (+0,37%)
     
  • HANG SENG

    25.330,96
    +368,37 (+1,48%)
     
  • NIKKEI

    29.068,63
    +517,70 (+1,81%)
     
  • NASDAQ

    15.144,25
    +107,00 (+0,71%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3297
    -0,0741 (-1,16%)
     

Campeã de xadrez processa Netflix por sexismo em "O Gambito da Rainha"

·1 minuto de leitura
Foto: Reprodução da internet.
Foto: Reprodução da internet.
  • A enxadrista georgiana de 80 anos exige US$ 5 milhões como indenização;

  • Segundo Nona Grapindashvili, a série da Netflix faz afirmações falsas e sexistas;

  • A queixa, de 25 páginas, foi apresentada ao Tribunal Distrital Federal em Los Angeles.

Nona Gaprindashvili, 80 anos, é uma enxadrista georgiana e a primeira mulher do mundo a se tornar mestre de xadrez. Ícone do período soviético, Gaprindashvili entrou com uma ação judicial contra a Netflix, afirmando que o final de “O Gambito da Rainha” é sexista.

A enxadrista diz que a série é uma mentira devastadora e diminui seus feitos para milhões de espectadores. No processo movido por Gaprindashvili, acusa-se a empresa de streaming por difamação, exigindo US$ 5 milhões como indenização, o equivalente a mais de R$ 26 milhões.

Leia também:

A ação da enxadrista refere-se ao último episódio de “O Gambido da Rainha”, no qual se menciona o nome de Gaprindashvili. No capítulo, o comentarista de uma partida de xadrez afirma que a única coisa incomum sobre a personagem Beth Harmon, protagonizada por Anya Taylor-Joy, é o seu gênero, comparando-a com Nona Gaprindashvili e concluindo que ela nunca teria enfrentado homens.

Em um dos planos subsequentes, o rosto de uma mulher na plateia aparece em destaque. De acordo com o processo, a personagem seria a enxadrista georgiana.

Na queixa de 25 páginas apresentada ao Tribunal Distrital Federal em Los Angeles, afirma-se que a informação divulgada na série é manifestamente falsa, sexista e depreciativa.

Um porta-voz da Netflix diz que as acusações de Gaprindashvili não têm mérito.

As informações são do IG.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos