Mercado abrirá em 58 mins
  • BOVESPA

    100.763,60
    +2.091,34 (+2,12%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.294,83
    +553,33 (+1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    111,25
    +1,68 (+1,53%)
     
  • OURO

    1.822,40
    -2,40 (-0,13%)
     
  • BTC-USD

    20.996,52
    -312,32 (-1,47%)
     
  • CMC Crypto 200

    458,72
    -3,07 (-0,67%)
     
  • S&P500

    3.900,11
    -11,63 (-0,30%)
     
  • DOW JONES

    31.438,26
    -62,42 (-0,20%)
     
  • FTSE

    7.354,28
    +95,96 (+1,32%)
     
  • HANG SENG

    22.418,97
    +189,45 (+0,85%)
     
  • NIKKEI

    27.049,47
    +178,20 (+0,66%)
     
  • NASDAQ

    12.100,00
    +59,50 (+0,49%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5371
    -0,0070 (-0,13%)
     

Caminhoneiros não aprovam solução de Bolsonaros sobre combustíveis e cogitam greve

A proposta de Bolsonaro para compensar os Estados para zerar impostos sobre os combustíveis não foi bem recebida pelos trabalhadores (Getty Image)
A proposta de Bolsonaro para compensar os Estados para zerar impostos sobre os combustíveis não foi bem recebida pelos trabalhadores (Getty Image)
  • Alta nos preços dos combustíveis tem preocupado caminhoneiros

  • Medida de Jair Bolsonaro não agradou a classe

  • Trabalhadores cogitam nova greve

Quem se lembra dos impactos da greve dos caminhoneiros estremece ao saber que eles estão cogitando entrar em paralisação novamente.

A categoria tem sido afetada com a escalada no valor dos combustíveis e parece que as soluções adotadas pelo governo federal não resolvem o problema.

Uma proposta do presidente Jair Bolsonaro (PL) para compensar os Estados para zerar impostos sobre os combustíveis não foi bem recebida pela classe de trabalhadores.

A Abrava (Associação brasileira de Condutores de Veículos Automotores) divulgou uma nota criticando a mudança. A organização diz que que o governo tenta resolver um problema “complexo” com uma “solução tabajara”.

“O presidente Bolsonaro está preocupado com sua reeleição, os caminhoneiros e o povo brasileiro estão preocupados em colocar comida na mesa de suas famílias, não vemos luz no fim do túnel. O país vai parar!!”, afirma o documento, assinado pelo presidente da Abrava, Wallace Landim, conhecido como Chorão.

Na greve de 2018, Chorão foi um dos líderes autônomos. Neste ano, ele voltou a levantar a possibilidade de uma nova movimentação, impulsionada pelo aumento constante do diesel.

Tentando contornar a situação, Bolsonaro prometeu compensar os Estados para zerar os impostos que incidem sobre diesel e gás até dezembro de 2022. O governo também fala em zerar PIS/Cofins e Cide sobre a gasolina e o álcool.

Para Chorão, retirar a arrecadação do ICMS dos Estados é como “tomar dinheiro do vizinho para pagar uma conta da minha casa”. O líder diz que foi irresponsabilidade que levou o país a esta situação.

“Os preços dos combustíveis vão continuar subindo, o problema não está sendo enfrentado, esse movimento é só um paliativo para aumentar o diesel novamente”, defende.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos