Mercado abrirá em 4 h 44 min
  • BOVESPA

    108.487,88
    +1.482,88 (+1,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.518,30
    +228,40 (+0,45%)
     
  • PETROLEO CRU

    111,41
    +1,13 (+1,02%)
     
  • OURO

    1.855,20
    +13,10 (+0,71%)
     
  • BTC-USD

    30.428,49
    +1.011,48 (+3,44%)
     
  • CMC Crypto 200

    682,63
    +9,25 (+1,37%)
     
  • S&P500

    3.901,36
    +0,57 (+0,01%)
     
  • DOW JONES

    31.261,90
    +8,80 (+0,03%)
     
  • FTSE

    7.462,76
    +72,78 (+0,98%)
     
  • HANG SENG

    20.475,01
    -242,23 (-1,17%)
     
  • NIKKEI

    27.001,52
    +262,49 (+0,98%)
     
  • NASDAQ

    11.950,00
    +109,25 (+0,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1574
    +0,0046 (+0,09%)
     

Câmera do celular pode ajudar na detecção de Alzheimer e outras doenças

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Câmera dos celulares mais modernos vem equipada com um sensor infravermelho
Câmera dos celulares mais modernos vem equipada com um sensor infravermelho
  • Sensor de infravermelho pode rastrear o desenvolvimento de certas doenças neurológicas;

  • Câmera dos celular mais modernos vem equipada com a ferramenta;

  • Pacientes idosos podem apresentar dificuldade no manuseio do telefone.

Pesquisadores da Universidade da Califórnia, em San Diego, estão pesquisando uma forma de utilizar a câmera dos smartphones para acompanhar o desenvolvimento de doenças neurológicas, como Alzheimer, tudo através de uma simples fotografia do olho.

A notícia foi dada no último dia 29, através de um comunicado oficial. No documento, os pesquisadores afirmaram que o sensor infravermelho, que está presente nos celulares mais modernos, é capaz de analisar a pupila dos pacientes para detectar alterações causadas por certas doenças neurológicas.

“Esperamos que isso abra as portas para novas explorações do uso de smartphones para detectar e monitorar possíveis problemas de saúde mais cedo”, disse Colin Barry, o chefe do estudo.

A ideia é que isso permita um diagnóstico mais precoce dessas condições, quando os sintomas estiverem começando a aparecer. Com um diagnóstico ainda nos estágios iniciais o tratamento se torna mais fácil e eficiente. Para Eric Granholm, professor da Universidade, a ferramenta irá "auxiliar na detecção e compreensão de doença como a doença de Alzheimer."

Os resultados desse novo recurso podem ajudar na vida de pacientes, porém para Granholm os efeitos poderão ser sentidos por toda sociedade. "Isso pode ter um enorme impacto na saúde pública", afirmou.

Os cientistas, no entanto, não veem a aplicação da ferramenta como sendo um procedimento simples de ser implementado. Como boa parte das pessoas que desenvolvem esses tipos de doenças é idoso, pode haver problemas no manuseio dos smartphones. “Para nós, um dos fatores mais importantes no desenvolvimento de tecnologia é garantir que essas soluções sejam úteis para qualquer pessoa. Isso inclui indivíduos como adultos mais velhos que podem não estar acostumados a usar smartphones”, concluiu Colin Barry.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos