Mercado fechado
  • BOVESPA

    116.464,06
    -916,43 (-0,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.053,56
    -72,95 (-0,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,78
    +0,17 (+0,32%)
     
  • OURO

    1.847,90
    -3,00 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    32.009,90
    -319,94 (-0,99%)
     
  • CMC Crypto 200

    647,52
    +0,19 (+0,03%)
     
  • S&P500

    3.849,62
    -5,74 (-0,15%)
     
  • DOW JONES

    30.937,04
    -22,96 (-0,07%)
     
  • FTSE

    6.654,01
    +15,16 (+0,23%)
     
  • HANG SENG

    29.391,26
    -767,75 (-2,55%)
     
  • NIKKEI

    28.743,90
    +197,72 (+0,69%)
     
  • NASDAQ

    13.550,50
    +65,00 (+0,48%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5125
    +0,0017 (+0,03%)
     

Câmara de SP aprova aumento de 47% no salário de Covas a partir de janeiro de 2022

Redação Notícias
·1 minuto de leitura
*ARQUIVO* SÃO PAULO, SP, 04.04.2019 - O prefeito de São Paulo, Bruno Covas. (Foto: Eduardo Anizelli/Folhapress)
*ARQUIVO* SÃO PAULO, SP, 04.04.2019 - O prefeito de São Paulo, Bruno Covas. (Foto: Eduardo Anizelli/Folhapress)

A Câmara Municipal de São Paulo aprovou nesta segunda-feira (21), em primeira votação, um reajuste de 47% no salário do prefeito Bruno Covas (PSDB) a partir de janeiro de 2022. Os atuais R$ 24.175,55 passarão para R$ 35.462.

A segunda votação, necessária para aprovação de projetos na Casa, deve ocorrer à partir de quarta-feira (23) já que entre a primeira e segunda votação é necessário um intervalo de 48 horas. A votação foi simbólica, quando não tem contagem de votos.

Além do salário do prefeito, a Câmara também aprovou o aumento dos salários do vice-prefeito e dos secretários municipais. Do vice, passa de R$ 21,7 mil para R$31.915,80, e, dos secretários, de R$ 19.340,40 para R$ 30.142,70.

Leia também

O reajuste do salário do prefeito muda o teto para o salário do funcionalismo público municipal e, assim, deve gerar um efeito cascata e que reajuste em outras categorias. A Folha solicitou à prefeitura estimativa desses custos, mas, ainda não teve respostas.

Em nota, a presidência da Câmara informou que o projeto de lei "trata de correção dos subsídios do prefeito, vice-prefeito e secretários em patamar abaixo da inflação acumulada no período". "Desde a última correção, em 2012, a inflação acumulada chega a 63,11% pelo IPCA e 100,41% pelo IGP. Importante ressaltar ainda que a correção valerá apenas a partir de janeiro de 2022", diz nota.

Procurado, o prefeito Bruno Covas não se manifestou até a publicação desta reportagem.

da Folhapress