Mercado fechará em 5 h 9 min
  • BOVESPA

    108.884,09
    -217,90 (-0,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.508,35
    -314,88 (-0,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    84,83
    -0,72 (-0,84%)
     
  • OURO

    1.840,70
    -1,90 (-0,10%)
     
  • BTC-USD

    38.621,94
    -3.803,95 (-8,97%)
     
  • CMC Crypto 200

    908,37
    -86,89 (-8,73%)
     
  • S&P500

    4.482,73
    -50,03 (-1,10%)
     
  • DOW JONES

    34.715,39
    -313,26 (-0,89%)
     
  • FTSE

    7.490,26
    -94,75 (-1,25%)
     
  • HANG SENG

    24.965,55
    +13,20 (+0,05%)
     
  • NIKKEI

    27.522,26
    -250,67 (-0,90%)
     
  • NASDAQ

    14.727,50
    -113,50 (-0,76%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1843
    +0,0542 (+0,88%)
     

Câmara aprova seguro e ajuda financeira a entregadores de aplicativos

·1 min de leitura
Motoboy
Projeto de lei agora segue para o Senado

(Getty Images)

  • Projeto que prevê medidas de proteção a entregadores de apps é aprovado na Câmara

  • Texto determina que as empresas devem contratar seguro para os funcionários

  • No caso de afastamento por Covid-19, eles teriam o direito de receber ajuda financeira por até 45 dias

A Câmara dos Deputados aprovou, nesta quarta-feira (1), um projeto de lei que prevê a adoção de medidas de proteção para entregadores de aplicativo durante a pandemia de Covid-19. A proposta agora segue para o Senado.

Leia também:

O texto determina que as empresas contratem seguros contra acidentes para os funcionários, sem franquia, de forma a cobrir qualquer ocorrência no período de retirada e entrega dos produtos, incluindo acidentes pessoais, invalidez permanente ou temporária e morte.

Além disso, estipula uma ajuda financeira aos afastados por Covid-19. O benefício teria duração de 15 dias – capaz de ser prorrogado por mais dois períodos de 15 dias - e seria equivalente à média dos três últimos pagamentos mensais recebidos pelo entregador.

A empresa ainda ficaria responsável pela entrega de máscaras, álcool em gel e outros materiais higienizantes. A medida pode também ser cumprida por meio do repasse ou reembolso de despesas com os itens.

O projeto de lei é de autoria do deputado Ivan Valente (Psol-SP) e outros 9 parlamentares. "Há mais de 1 milhão de entregadores e, neste momento de pandemia, eles se tornaram mais que essenciais, entregando alimentos e remédios", disse Valente.

A empresa que descumprir as regras poderá ser penalizada com advertência e, em caso de reincidência, com o pagamento de multa estipulada em R$ 5 mil por infração cometida.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos