Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,50 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,11 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,82
    +0,11 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.832,00
    +16,30 (+0,90%)
     
  • BTC-USD

    58.001,95
    -712,85 (-1,21%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,07
    +44,28 (+3,08%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,23 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.715,50
    +117,75 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3651
    -0,0015 (-0,02%)
     

Calor extremo pode neutralizar vírus da Covid-19 em segundos

Lucas Soares
·2 minuto de leitura
Calor extremo pode neutralizar vírus da Covid-19 em segundos
Calor extremo pode neutralizar vírus da Covid-19 em segundos

Uma pesquisa revelou o vírus da Covid-19 pode ser desativado por completo ao ser exposto a um calor extremo. A principal novidade é que agora isso por ser feito em alguns segundos. A descoberta foi feita pela Texas A&M University.

Estudos anteriores já tinham mostrado que o coronavírus era vulnerável a altas temperaturas, mas para que o dano fosse efetivo, precisava de uma exposição de cerca de 20 minutos, o que tornava inviável a aplicação do sistema. No entanto, a equipe liderada por Arum Han mostrou que um tratamento térmico por menos de um segundo inativa completamente o coronavírus.

Calor e a Covid-19

O procedimento funciona aquecendo um tubo de inox (aço inoxidável). Após isso, os pesquisadores inserem o coronavírus, já em uma temperatura alta, dentro do tubo. Em seguida tudo é resfriado imediatamente. O processo faz com que a Covid-19 corra no túnel e o aquecimento térmico é suficiente para desativar o vírus.

O chefe do estudo disse que o vírus da Covid-19 ficou exposto a um calor extremo de quase 72°C durante meio segundo. “O impacto potencial é enorme”, explicou Han. “Eu estava curioso para saber o quão altas as temperaturas podemos aplicar em um curto espaço de tempo e para ver se podemos realmente inativar o coronavírus por calor em apenas um curto período e ainda se essa estratégia de neutralização do coronavírus com base na temperatura funcionaria ou não do ponto de vista prático. O maior motivador foi: ‘Podemos fazer algo que possa mitigar a situação com o coronavírus ?’”, completou ainda.

Imagem: Matthew Linguist/Texas A&M Engineering
Imagem: Matthew Linguist/Texas A&M Engineering

A principal aplicação do método é em tubos de ventilação e sistemas de aquecimento, além de impedir a propagação do vírus pelo ar. Isso pode tornar os ambientes internos muito mais seguros contra a Covid-19 e outros vírus, como o da gripe. “A gripe é menos perigosa, mas ainda se mostra mortal a cada ano, então se isso pode levar ao desenvolvimento de um sistema de purificação do ar, isso seria um grande negócio, não apenas com o coronavírus, mas para outros vírus transportados pelo ar em geral”, diz Han.

Leia também:

O caso foi publicado na revista científica Biotechnology and Bioengineering. O próximo passo do projeto é criar um chip de teste em escala microfluídica que permitirá o tratamento térmico da Covid-19 exposta a um calor extremo por períodos muito mais curtos de tempo. Os estudos seguem em andamento.

Via Texas A&M University