Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.061,99
    -871,79 (-0,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.867,62
    +338,65 (+0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    60,99
    -0,36 (-0,59%)
     
  • OURO

    1.797,50
    +4,40 (+0,25%)
     
  • BTC-USD

    53.693,92
    -1.987,97 (-3,57%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.239,65
    -23,31 (-1,85%)
     
  • S&P500

    4.173,42
    +38,48 (+0,93%)
     
  • DOW JONES

    34.137,31
    +316,01 (+0,93%)
     
  • FTSE

    6.895,29
    +35,42 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.739,91
    +117,99 (+0,41%)
     
  • NIKKEI

    29.004,20
    +495,65 (+1,74%)
     
  • NASDAQ

    13.894,75
    -24,50 (-0,18%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7066
    +0,0046 (+0,07%)
     

Calendário de vacinação da COVID-19 para pessoas com 18 anos é falso; entenda

Fidel Forato
·3 minuto de leitura

Nos últimos dias, um boato sobre o calendário da vacinação nacional contra o novo coronavírus (SARS-CoV-2) foi compartilhado nas redes sociais, como WhatsApp e Twitter. No texto, falsamente creditado ao Ministério da Saúde, é informado que pessoas com mais de 18 anos começarão a ser imunizadas contra a COVID-19, a partir do dia 8 de agosto. Além disso, o grupo entre 39 e 41 anos, receberia a primeira dose a partir do dia 15 de junho. No entanto, ainda não há previsão para que as vacinas sejam aplicadas nestes grupos etários.

Em nota para a Agência Lupa, o Ministério da Saúde afirmou que o cronograma que circula pelas redes não corresponde ao adotado pela Campanha de Vacinação contra a COVID-19, coordenada pela pasta. Além disso, a Saúde pontua que não existe um cronograma prévio com datas em que se deve realizar a imunização de determinadas faixas etárias. Afinal, quem organiza as datas de imunização contra o coronavírus são os próprios estados e municípios, de acordo com suas prioridades.

Fake news circula nas redes sobre vacinação da COVID de pessoas com 18 anos (Imagem: Reprodução/Twitter)
Fake news circula nas redes sobre vacinação da COVID de pessoas com 18 anos (Imagem: Reprodução/Twitter)

Até o momento, o Ministério da Saúde apenas determinou sobre quais pessoas entrariam nos grupos prioritários de imunização. Como a disponibilidade de vacinas ainda é insuficiente para atender toda a população, foi proposto que as doses disponíveis atendam os grupos de risco para a infecção e, em um segundo momento, é que a população geral, como indivíduos com mais de 18 anos e sem comorbidades, serão vacinados.

A seguir, confira a lista prioritária da vacinação contra a COVID-19, divulgada pela Saúde em janeiro:

  • Pessoas com 60 anos ou mais institucionalizadas;

  • Pessoas com deficiência institucionalizadas;

  • Povos indígenas vivendo em terras indígenas;

  • Trabalhadores de saúde;

  • Pessoas de 80 anos ou mais;

  • Pessoas de 75 a 79 anos;

  • Povos e comunidades tradicionais ribeirinhas;

  • Povos e comunidades tradicionais quilombolas;

  • Pessoas de 70 a 74 anos;

  • Pessoas de 65 a 69 anos;

  • Pessoas de 60 a 64 anos;

  • Comorbidades;

  • Pessoas com deficiência permanente grave;

  • Pessoas em situação de rua;

  • População privada de liberdade;

  • Funcionários do sistema de privação de liberdade;

  • Trabalhadores da educação do Ensino Básico (creche, pré-escolas, ensino fundamental, ensino médio, profissionalizantes e EJA);

  • Trabalhadores da educação do Ensino Superior;

  • Forças de segurança e salvamento;

  • Forças Armadas;

  • Trabalhadores de transporte coletivo rodoviário de passageiros;

  • Trabalhadores de transporte metroviário e ferroviário;

  • Trabalhadores de transporte aéreo;

  • Trabalhadores de transporte aquaviário;

  • Caminhoneiros;

  • Trabalhadores portuários;

  • Trabalhadores industriais.

Vacinação de pessoas com 18 anos contra COVID-19?

Mesmo que a população em geral queira se imunizar contra o coronavírus, vale lembrar que a decisão de priorizar os grupos prioritários visa reduzir o número de óbitos em decorrência da infecção e, consequentemente, reduzir a pressão do sistema de saúde brasileiro, tanto o público quanto o particular. No mundo, outros países adotaram as mesmas medidas para o plano de imunização.

Dessa forma, brasileiros na faixa de 20 a 60 anos, caso não se enquadrem na lista prioritária, não tem uma previsão oficial para a imunização contra a COVID-19 no Brasil. Inclusive, o Ministério da Saúde chegou a estimar, em janeiro deste ano, que toda a população brasileira estaria imunizada contra o coronavírus em 2022.

Vale lembrar que o país imunizou de forma completa — com as duas doses necessárias da vacina — 3,8 milhões de brasileiros, segundo o vacinômetro desenvolvido pela Saúde. Para conferir todos os dados disponíveis sobre a imunização, clique aqui.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: