Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.909,61
    +2.127,46 (+1,96%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.174,06
    -907,27 (-1,78%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,72
    +0,52 (+0,66%)
     
  • OURO

    1.762,30
    -1,40 (-0,08%)
     
  • BTC-USD

    16.458,30
    +246,92 (+1,52%)
     
  • CMC Crypto 200

    389,69
    +0,96 (+0,25%)
     
  • S&P500

    3.957,63
    -6,31 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    33.852,53
    +3,07 (+0,01%)
     
  • FTSE

    7.512,00
    +37,98 (+0,51%)
     
  • HANG SENG

    18.204,68
    +906,74 (+5,24%)
     
  • NIKKEI

    28.027,84
    0,00 (0,00%)
     
  • NASDAQ

    11.506,75
    -18,00 (-0,16%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4547
    -0,0019 (-0,03%)
     

Caixa vai cancelar desconto indevido do empréstimo do Auxílio Brasil

***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 21.02.2019 - Still de mãos segurando cédulas de real. (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 21.02.2019 - Still de mãos segurando cédulas de real. (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Em meio a reclamações de descontos indevidos ou antecipados do empréstimo consignado do Auxílio Brasil, a Caixa Econômica Federal passou a enviar mensagens, por meio do Caixa Tem, para informar que a primeira parcela já será debitada em novembro, e não em dezembro, como constava em contratos.

A falha na informação fornecida pela Caixa confundiu os beneficiários, pois no contrato aparece a data 7 de dezembro no campo "primeira parcela".

Os beneficiários receberão o seguinte aviso no celular: "A sua parcela do empréstimo é debitada automaticamente a partir do primeiro benefício a ser recebido após a contratação. A data de 07/12 que aparece no extrato do contrato é o prazo para que a Caixa receba o valor do Ministério da Cidadania."

Segundo o banco informou nesta quinta (10), as mensagens enviadas aos beneficiários visam esclarecer as regras contratuais sobre o pagamento das parcelas.

Já para as pessoas que não solicitaram o empréstimo, mas estão com os descontos programados no extrato do benefício, a Caixa informa que "será providenciada a correção necessária", caso o crédito tenha sido tomado por meio do banco estatal.

Sobre o início dos débitos, o Ministério da Cidadania informou nesta quarta (9) que, na folha de pagamento do auxílio referente a novembro, serão descontados os empréstimos contratados entre 10 de outubro e 1º de novembro e que todos os beneficiários que tiverem desconto serão avisados por mensagem no extrato.

VEJA O QUE FAZER SE NÃO RECONHECER O EMPRÉSTIMO CONSIGNADO

Segundo a Caixa, o beneficiário que não reconhecer a contratação de empréstimo consignado, com parcela debitada indevidamente em seu benefício, deve, primeiro, ligar para o canal de atendimento do Ministério da Cidadania, por meio do número 121.

É preciso informar os dados cadastrais no atendimento, como CPF ou número do benefício, para verificar a instituição financeira onde o contrato foi feito e solicitar o ressarcimento. O motivo é que, além da Caixa, há mais de uma dezena de instituições financeiras autorizadas a oferecer o crédito.

Já no caso do cliente da Caixa que identificar algum desconto supostamente incorreto no benefício, a orientação é para que vá até uma agência do banco com CPF e documento de identificação com foto para que seja providenciada a devolução do valor.

O banco estatal diz ainda que mais informações podem ser consultadas na página do Consignado Auxílio. Há também um vídeo para esclarecer as principais dúvidas em seu canal do Youtube.

CRÉDITO TEM SIDO MOTIVO DE QUESTIONAMENTOS

O início da liberação do consignado do Auxílio Brasil foi marcado por reclamações de crédito cancelado, demora na liberação do dinheiro, cobrança de taxa extra e sobrecarga nos sistemas da Caixa. A linha de crédito já foi suspensa pelo banco duas vezes (a liberação de novos empréstimos está bloqueada até o dia 14 de novembro).

Às vésperas da eleição, o TCU (Tribunal de Contas da União) também recomendou que o empréstimo fosse suspenso. Após uma sobrecarga no sistema devido à explosão de acessos, pedidos foram cancelados ou ficaram em processamento.

O banco estimou que havia cerca de 200 mil pessoas com o contrato em análise ou pendente até o dia 21 de outubro e que precisariam fazer nova solicitação. Paola de Carvalho, da Rede Brasileira de Renda Básica, diz estar preocupada com a quantidade de famílias relatando que não receberam o dinheiro do empréstimo, mas que estão com o desconto previsto em seus extratos.