Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.523,47
    -1.617,17 (-1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.049,05
    +174,14 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,23
    -2,65 (-3,49%)
     
  • OURO

    1.877,70
    -53,10 (-2,75%)
     
  • BTC-USD

    23.070,09
    -359,19 (-1,53%)
     
  • CMC Crypto 200

    535,42
    -1,43 (-0,27%)
     
  • S&P500

    4.136,48
    -43,28 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    33.926,01
    -127,93 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.616,50
    -230,25 (-1,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5385
    +0,0488 (+0,89%)
     

Caixa suspende consignado do Auxílio Brasil

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - A presidente da Caixa Econômica Federal, Rita Serrano, afirmou, nesta quinta-feira (12), que suspendeu o crédito consignado do Auxílio Brasil e que o banco não tem como bancar as prováveis perdas decorrentes da inadimplência com essa modalidade de crédito liberada durante o período eleitoral por Jair Bolsonaro (PL).

"O banco não tem como arcar com isso", disse Serrano. "Decidimos suspender essa modalidade por dois motivos. O primeiro é que o governo está revendo o cadastro. Então, não seria de bom tom [manter]. O segundo é que os juros são muito elevados para essa parcela da população."

Serrano tomou posse nesta quinta, na sede da Caixa Cultural em Brasília, em evento que contou com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), a primeira-dama, Janja, e o ministro da Fazenda, Fernando Haddad.

Em entrevista a jornalistas, ela declarou que a Caixa e o Banco do Brasil devem ser o motor do novo programa de renegociação de dívidas, uma promessa do presidente Lula durante a campanha.

Segundo Serrano, as condições do programa estão sendo definidas pela equipe econômica e os presidentes dos bancos públicos. "Deve ser lançado em fevereiro", disse.

O ministro da Fazenda, no entanto, declarou que o programa deve ser finalizado logo após seu retorno da viagem à Suíça, onde ele participa do Fórum Econômico Mundial, na próxima semana.

Serrano afirmou ainda que pretende renegociar com o TCU (Tribunal de Contas da União) mais prazo para devolução de R$ 20 bilhões em recursos transferidos pelo Tesouro para investimentos.

"O TCU determinou a devolução em cinco anos. O conselho aprovou e eu votei para que esse pagamento fosse feito em sete ou oito anos", disse.

"Nos próximos dias vou ao TCU tentar mais prazo, oito anos. É demais para o banco devolver R$ 5 bilhões, em média, por ano."