Mercado fechado
  • BOVESPA

    93.952,40
    -2.629,76 (-2,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    36.987,86
    +186,49 (+0,51%)
     
  • PETROLEO CRU

    35,72
    -0,45 (-1,24%)
     
  • OURO

    1.878,80
    +10,80 (+0,58%)
     
  • BTC-USD

    13.607,45
    +60,46 (+0,45%)
     
  • CMC Crypto 200

    265,42
    +1,78 (+0,68%)
     
  • S&P500

    3.269,96
    -40,15 (-1,21%)
     
  • DOW JONES

    26.501,60
    -157,51 (-0,59%)
     
  • FTSE

    5.577,27
    -4,48 (-0,08%)
     
  • HANG SENG

    24.107,42
    -479,18 (-1,95%)
     
  • NIKKEI

    22.977,13
    -354,81 (-1,52%)
     
  • NASDAQ

    11.089,00
    -253,75 (-2,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6872
    -0,0584 (-0,87%)
     

Caixa registra lucro líquido de R$ 2,558 bilhões no segundo trimestre

Geralda Doca
·1 minuto de leitura
Caixa Econômica: queda no lucro.
Caixa Econômica: queda no lucro.

BRASÍLIA - A Caixa Econômica Federal apresentou no segundo trimestre de 2020 lucro líquido de R$ 2,558 bilhões. O resultado representa queda de 39,3% em relação ao ganho auferido no mesmo período de 2019, que foi de R$ 4,212 bilhões. Na comparação aos primeiros três meses deste ano, a redução foi de 16,1%. A provisão para calotes subiu 40%.

Os números divulgados pela Caixa, nesta quarta-feira, refletem o impacto da crise com a pandemia do novo coronavírus.

No segundo trimestre de 2020, as receitas com tarifas caíram 7% para R$ 5,390 bilhões, na comparação com os três primeiros meses do ano. Em relação ao mesmo período do ano anterior, a queda foi 18,8%, apesar da ampliação do crédito.

Segundo a Caixa, o volume de empréstimo registrado pelo banco no segundo trimestre foi o maior dos últimos quatro anos para o período. Os bancos públicos, sobretudo a Caixa, foram utilizados pelo governo para socorrer as empresas e pessoas físicas com linhas especiais de crédito.

O crédito para as empresas subiu 50,4% para entre o primeiro e o segundo trimestre deste ano, no auge da crise. O empréstimo com desconto em folha para pessoas físicas ficou em segundo lugar com aumento de 41,4% e em seguida, os financiamentos habitacionais, com aumento de 30,8%.

Com isso, a provisão para calotes também subiu para R$ 2,817 bilhões – alta de 40% em relação ao primeiro trimestre e de 17,1% na comparação com o mesmo período do ano passado.

Contudo, a taxa de inadimplência para atrasos superiores a 90 dias caiu de 3,14% para 2,48% entre o primeiro e o segundo trimestre. No entanto, o percentual subiu para 5,83% para 5,92% no caso de pessoas físicas.