Mercado fechado

Caixa reduz juros do crédito imobiliário para empresas

Estevão Taiar

A Caixa Econômica Federal anunciou nesta quarta-feira mudanças no crédito imobiliário para pessoas jurídicas. As alterações valem a partir da próxima segunda-feira, dia 17.

Houve redução dos juros cobrados nas operações indexadas à Taxa Referencial (TR). A taxa mínima cobrada nessas operações passou de TR + 9,25% ao ano para TR + 6,5% ao ano, no caso das empresas com relacionamento no banco.

Caixa

José Cruz/Agência Brasil

No caso das empresas sem relacionamento, a taxa passou de TR + 13,25% ao ano para TR + 11,75% ao ano.

O banco também anunciou a criação de linhas indexadas ao Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) e ao CDI (Certificado de Depósito Interbancário).

No caso das operações indexadas ao índice de inflação, a taxa anual irá variar de 3,79% (mínima) a 7,80% (sem relacionamento). De acordo com o presidente da Caixa, Pedro Guimarães, o crédito imobiliário indexado ao IPCA era uma “demanda muito forte das construtoras, tanto pela securitização quanto por ser um produto superior”.

No caso do CDI, as taxas poderão ser calculadas somando o CDI com o cupom ou como percentual do CDI. Na primeira opção, a taxa anual irá variar de 119% do CDI (mínima) a 194% do CDI (sem relacionamento). Já o crédito indexado ao CDI + cupom terá taxas anuais de 1,48% (mínima) a 5,40% (sem relacionamento).

Guimarães destacou que há entre as empresas de construção um movimento semelhante ao que foi visto em 2006 e 2007, quando diversas companhias do setor abriram o capital. Agora, entretanto, esse movimento é mais equilibrado, com construtoras voltadas tanto para a baixa quanto para a alta renda. Anteriormente, o foco era maior na alta renda.

“[A ideia é que] o aumento de patrimônio das empresas seja seguido pelo aumento da oferta de crédito”, disse, afirmando também que o crédito e o emprego na construção civil “têm uma correlação muito forte”.

“Queremos continuar operando com as construtoras que já têm empreendimentos e linhas na Caixa e também trazer novas empresas para o sistema”, afirmou o vice-presidente de habitação Jair Mahl.

As linhas com as novas regras serão oferecidas em todas as agências da Caixa, mas valem apenas para a construção de novos empreendimentos. Guimarães, no entanto, não descartou a possibilidade de “ampliar” as mudanças para todas as empresas.

“Estamos totalmente abertos para ampliar esse leque de oferta para clientes diferentes. Essa é sempre uma discussão dentro da Caixa”, disse.

Atualmente, o banco tem aproximadamente R$ 6 bilhões da carteira imobiliária para pessoas jurídicas, o que corresponde a 16% do total.