Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.764,26
    +3.046,32 (+2,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.853,37
    +392,82 (+0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    91,88
    -2,46 (-2,61%)
     
  • OURO

    1.818,90
    +11,70 (+0,65%)
     
  • BTC-USD

    24.482,39
    +293,36 (+1,21%)
     
  • CMC Crypto 200

    574,64
    +3,36 (+0,59%)
     
  • S&P500

    4.280,15
    +72,88 (+1,73%)
     
  • DOW JONES

    33.761,05
    +424,38 (+1,27%)
     
  • FTSE

    7.500,89
    +34,98 (+0,47%)
     
  • HANG SENG

    20.175,62
    +93,19 (+0,46%)
     
  • NIKKEI

    28.546,98
    +727,65 (+2,62%)
     
  • NASDAQ

    13.580,00
    +268,75 (+2,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2024
    -0,1213 (-2,28%)
     

Caixa mantém em sigilo norma que liberou obra na casa de Pedro Guimarães

***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 01.06.2021 - O ex-presidente da Caixa Econômica Federal Pedro Guimarães. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 01.06.2021 - O ex-presidente da Caixa Econômica Federal Pedro Guimarães. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - A Caixa Econômica Federal mantém sob sigilo a norma interna que embasou o custeio de uma obra de aproximadamente R$ 50 mil na mansão o ex-presidente do banco Pedro Guimarães localizada no Lago Sul, bairro nobre de Brasília (DF), revelada pelo jornal Folha de S.Paulo no início de julho.

Na época, a Caixa afirmou que a obra —a instalação de postes de luz no jardim da casa— foi feita por motivo de segurança e era amparada por uma norma interna.

A reportagem pediu acesso a essa regra por meio da LAI (Lei de Acesso à Informação), mas a Caixa disse que seu conteúdo é sigiloso.

"A regulação da destinação e custeio do aparato de segurança para empregados e dirigentes é regida por normativo interno e seu conteúdo trata de processos sensíveis no que diz respeito à preservação da integridade e vida dos empregados, sendo seu conteúdo tratado em sigilo."

De acordo com o banco, desde 2015 "foram beneficiados com os aparatos de segurança nove empregados e dirigentes da Caixa". O banco não deu mais detalhes.

Depois da revelação do caso, o MP (Ministério Público) junto ao TCU (Tribunal de Contas da União) pediu para que a obra fosse investigada.

Além disso, o MPF (Ministério Público Federal) pediu informações ao banco sobre as obras. O procedimento, aberto em 8 de julho, dava 15 dias úteis para que a Caixa respondesse. A partir do que for dito pela instituição financeira, o MPF decidirá se abre ou não uma apuração.

As intervenções na casa foram feitas em julho de 2020 por quatro funcionários de uma empresa que mantém contratos com o banco público para realização de serviços de manutenção em seus prédios e agências.

A reportagem falou com dois dos funcionários da EMIBM Engenharia e teve acesso a imagens dos trabalhos sendo realizados.

A empresa presta serviços de engenharia para a Caixa há cerca de 25 anos, obtidos por meio de licitações. O último contrato, de junho de 2020, tem valor estimado de R$ 16,3 milhões. Desse total, R$ 4,9 milhões já foram executados.

A EMIBM Engenharia disse em nota que não se manifestará sobre suas obras devido a cláusulas de confidencialidade do contrato.

A mansão foi alugada por Guimarães depois de o executivo deixar um apartamento mantido pelo banco em um hotel de luxo em Brasília.

A residência fica na beira do Lago Paranoá, na região mais valorizada da cidade, e tem um campo de futebol. O jardim cuja iluminação foi paga pela Caixa se estende até as margens do lago.

A obra na casa de Guimarães foi realizada poucos dias depois de uma ameaça feita em um grupo de Telegram ao ex-presidente e familiares.

Na mesma época, a Polícia Federal abriu um inquérito para investigar um ataque hacker ao presidente. Isso aconteceu depois de o banco fortalecer as medidas de segurança para evitar golpes no pagamento do auxílio emergencial. Uma pessoa chegou a ser presa, em setembro, nos desdobramentos da apuração.

Antes de instalar os postes de luz e das ameaças, Guimarães já tinha tentado passar para o banco uma outra despesa envolvendo o imóvel. O jardim da casa se estende até a beira do lago Paranoá e Guimarães queria instalar uma cerca para separar o terreno da margem.

O setor responsável negou o pedido. Na época, ele não era comandado por Simone Benevides, funcionária da Caixa que autorizou a instalação dos postes de luz.

Além da reforma, a Caixa também forneceu oito seguranças para Guimarães e até internet na sua casa. Também nesse caso, o banco e o advogado de Guimarães, José Luis Oliveira Lima, alegaram motivos de segurança.

Pedro Guimarães deixou o banco no fim de junho após uma série de acusações reveladas pelo Metrópoles de assédio moral e sexual.

Após a saída, ele publicou um artigo na Folha dizendo estar sofrendo acusações inquisitoriais e que queria sofrer "a mais profunda devassa" na sua vida para provar a sua inocência.

A Caixa recebeu sete denúncias internas contra Guimarães antes de sua demissão do banco. A primeira foi registrada em julho de 2019, apenas seis meses após ele tomar posse no comando da estatal.

A Folha de S.Paulo revelou diversos casos em que funcionários graduados do banco eram enviados para postos de início de carreira.

Um dos casos é o de um executivo com salário de R$ 45 mil que foi colocado para organizar filas em uma agência da Caixa.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos