Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.123,85
    -3.459,16 (-3,05%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.925,52
    -673,01 (-1,30%)
     
  • PETROLEO CRU

    74,38
    -0,91 (-1,21%)
     
  • OURO

    1.737,20
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    41.684,28
    -891,54 (-2,09%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.028,58
    -28,57 (-2,70%)
     
  • S&P500

    4.352,63
    -90,48 (-2,04%)
     
  • DOW JONES

    34.299,99
    -569,38 (-1,63%)
     
  • FTSE

    7.028,10
    -35,30 (-0,50%)
     
  • HANG SENG

    24.254,30
    -246,09 (-1,00%)
     
  • NIKKEI

    29.398,33
    -785,63 (-2,60%)
     
  • NASDAQ

    14.833,50
    +68,75 (+0,47%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3429
    +0,0003 (+0,00%)
     

Caixa Econômica vai fechar a "máquina de prejuízos" Caixa Par

·1 minuto de leitura
Presidente da Caixa, Pedro Guimarães

Por Aluisio Alves

(Reuters) - A Caixa Economica Federal vai vender participações detidas por meio da Caixa Par, que será encerrada, disse nesta quinta-feira o presidente-executivo do banco, Pedro Guimarães.

"Se tiver algum investimento, ele será feito pela própria Caixa", disse Guimarães em teleconferência com jornalistas sobre os resultados do segundo trimestre. "Vamos acabar com essa máquina de prejuízos."

Nos últimos anos, a Caixa tem se desfeito de negócios como a resseguradora IRB Brasil Re, Banco Pan e ações da Petrobras, além de negócios menores incluindo corretagem de seguros, capitalização, consórcio, securitização e tecnologia, detidos por meio da Caixa Par.

O banco também fez ajustes em relação a investimentos feitos entre 2009 a 2015 por meio do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), administrado pela Caixa, que geraram 24,4 bilhões de reais em perdas, eliminando ressalvas de auditores.

Guimarães disse ainda que o banco estatal pretende devolver ainda neste ano cerca de 7 bilhões de reais em empréstimos tomados com o Tesouro Nacional na última década por meio de instrumentos híbridos de capital e dívida (IHCD).

O executivo reafirmou a disposição de listar em bolsa as unidades de cartões, de gestão de recursos de terceiros e do banco digital, mas esses movimentos devem ficar para a partir de 2022, dado o cenário volátil atual do mercado e do foco primeiro na oferta inicial de ações (IPO) da bandeira Elo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos