Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,79 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,80 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,86
    +2,37 (+2,98%)
     
  • OURO

    1.672,00
    0,00 (0,00%)
     
  • BTC-USD

    19.204,68
    -109,56 (-0,57%)
     
  • CMC Crypto 200

    443,49
    +0,06 (+0,01%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,09 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.222,83
    +56,93 (+0,33%)
     
  • NIKKEI

    25.937,21
    -484,89 (-1,84%)
     
  • NASDAQ

    11.009,50
    -26,00 (-0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3040
    +0,0060 (+0,11%)
     

Caixa Econômica mira R$60 bi em PPPs de iluminação e tratamento de resíduos

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A Caixa Econômica Federal deve abrir em outubro uma chamada pública para municípios interessados em parcerias público-privadas (PPPs) em iluminação pública e resíduos sólidos, disse nesta quinta-feira a presidente-executiva, Daniella Marques.

A expectativa é atingir 1.800 cidades e 150 projetos que podem mobilizar até 60 bilhões de reais em contratações, disse Marques a jornalistas, frisando a capilaridade do banco, que tem unidades em quase todos os mais de cinco mil municípios do pais.

O movimento faz parte de uma parceria da Caixa com o BNDES, que se tornou estruturador de projetos de saneamento e iluminação para o governo federal.

"Nesse primeiro momento vamos atuar em conjunto em iluminação e resíduos sólidos com expectativa de sair uma carteira de pelo menos 150 projetos", disse ela.

Marques, à frente do banco há pouco mais de dois meses, disse que uma meta de sua gestão é fortalecer a governança da Caixa para evitar influência política.

"Estamos finalizando uma proposta para levar para conselho de administração que vai fortalecer a governança na concessão de credito do banco, trazendo as melhores práticas adotadas por Bradesco, Itaú Unibanco e Banco do Brasil, criando um comitê de risco de capital. Vamos fortalecer e ampliar o 'compliance' do banco e isso deve ser levado para próxima reunião", adicionou.

Marques disse ainda que as investigações sobre denúncias de assédio contra ex executivos do banco, incluindo o ex-presidente Pedro Guimarães, devem estar concluídas em até 90 dias.

(Por Rodrigo Viga Gaier)