Mercado fechado
  • BOVESPA

    101.259,75
    -657,98 (-0,65%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.707,72
    +55,53 (+0,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    39,78
    -0,86 (-2,12%)
     
  • OURO

    1.903,40
    -1,20 (-0,06%)
     
  • BTC-USD

    12.952,94
    +56,35 (+0,44%)
     
  • CMC Crypto 200

    260,05
    -1,40 (-0,54%)
     
  • S&P500

    3.465,39
    +11,90 (+0,34%)
     
  • DOW JONES

    28.335,57
    -28,09 (-0,10%)
     
  • FTSE

    5.860,28
    +74,63 (+1,29%)
     
  • HANG SENG

    24.918,78
    +132,65 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    23.516,59
    +42,32 (+0,18%)
     
  • NASDAQ

    11.669,25
    +19,50 (+0,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6639
    +0,0538 (+0,81%)
     

Caixa anuncia redução de taxa de juros do financiamento imobiliário

FERNANDA BRIGATTI
·3 minutos de leitura
*ARQUIVO* JABOTICABAL, SP, BRASIL, 01-09-2020 - Fila na porta da Caixa Economica Federal do centro de Jaboticabal. (Foto: Eduardo Anizelli/ Folhapress)
*ARQUIVO* JABOTICABAL, SP, BRASIL, 01-09-2020 - Fila na porta da Caixa Economica Federal do centro de Jaboticabal. (Foto: Eduardo Anizelli/ Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Caixa Econômica Federal anunciou nesta quarta (14) redução na taxa de juros da linha de financiamento imobiliário atrelada à TR (Taxa Referencial). Contratos fechados a partir de 22 de outubro serão corrigidos em 6,25% mais a TR, atualmente zerada.

A taxa máxima passa dos atuais 8,5% mais TR, para 8%. A redução vale para os financiamentos com recursos do SBPE (Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo) e para pessoas físicas.

O presidente do banco público, Pedro Guimarães, prevê a concessão de R$ 14 bilhões em crédito imobiliário pelo SBPE até o fim do ano.

Além da linha de crédito atrelada à TR, a Caixa mantém outra vinculada ao IPCA, índice de inflação oficial, que parte de 2,95% ao ano, e uma terceira, com taxa fixa, que varia de 8% a 9,75%.

Em coletiva transmitida pela internet, Guimarães anunciou também a renovação da política de carência de seis meses para o pagamento da primeira parcela. Esse prazo valerá para todos os contratos fechados até 30 de dezembro.

Entre as medidas anunciadas nesta quarta, a Caixa liberou novas condições especiais de pagamento de parcelas para quem já tem um financiamento ativo.

Desde março, o banco autorizou os mutuários a adiar os pagamentos por até seis meses. As condições liberadas permitem que, por um período de vai de três a seis meses, as pessoas desembolsem um valor menor do que o contratado.

O pedido já está disponível no aplicativo da Caixa para habitação e pode ser feito por quem adiou o pagamento nos primeiros meses de pandemia, e também por quem conseguiu manter as parcelas em dia, mas agora está com dificuldades.

Segundo Guimarães, são duas as modalidades de apoio a essas famílias.

Uma permitirá o pagamento de 75% do valor contratado por um período de seis meses. Na outra, o valor ficará entre 50% e 75% por três meses.

Nos dois casos, ao solicitar a redução provisória, o mutuário precisará concordar com uma “autodeclaração de insuficiência de renda para arcar com o valor integral da prestação”.

A previsão do presidente da Caixa é que as medidas –os juros menores na linha com TR, a carência para novos contratos e a redução provisória das parcelas– afetem 830 mil famílias e movimentem R$ 83 bilhões em recursos alocados. A maioria, cerca de 620 mil, deverá ser beneficiada pelo pagamento parcial das prestações.

A Caixa anunciou também que as contratações de financiamento imobiliário passarão a ser 100% online a partir de 19 de outubro, por meio do aplicativo para habitação.

O Feirão da Caixa para casa própria, tradicionalmente realizado em grandes pavilhões como o Anhembi, na zona norte da capital, neste ano será virtual. Agora e caberá às entidades do setor imobiliário organizar ações até o fim de novembro.

RECORDE NA CARTEIRA DE CRÉDITO

O presidente da Caixa, Pedro Guimarães, disse nesta quarta que o reposicionamento da Caixa em relação aos financiamentos com recursos da poupança, o SBPE, fez com que o volume de contratações, neste ano, mais dobrasse.

De janeiro a agosto deste ano, o banco tinha R$ 29,4 bilhões em contratos no SBPE, um aumento de 102,7% ante o mesmo período do ano passado.

“O crescimento do mercado, como um todo, foi de 39,8%, mas ele vem principalmente da Caixa Econômica Federal, que praticamente dobrou sua participação”, diz Guimarães. As outras instituições financeiras avançaram 11,8% nesse período.

Em outubro, a Caixa atingiu a marca de R$ 500 bilhões em sua carteira de crédito imobiliário, um recorde, segundo Pedro Guimarães. Desde janeiro de 2019, quando assumiu a instituição, o aumento foi de 13,4%.

O banco é responsável por 70% do mercado de crédito imobiliário, com 5,6 milhões de contratos e 5,5 mil empreendimentos em produção.

No SBPE, a Caixa respondia 25% do mercado em janeiro de 2019 e chegou a 51,1% no mês de julho deste ano.