Mercado fechará em 4 horas 1 minuto
  • BOVESPA

    110.247,25
    +845,84 (+0,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.611,64
    -187,82 (-0,37%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,65
    -0,28 (-0,36%)
     
  • OURO

    1.789,40
    +8,10 (+0,45%)
     
  • BTC-USD

    17.002,49
    -224,54 (-1,30%)
     
  • CMC Crypto 200

    400,89
    -0,92 (-0,23%)
     
  • S&P500

    3.974,44
    -24,40 (-0,61%)
     
  • DOW JONES

    33.868,15
    -78,95 (-0,23%)
     
  • FTSE

    7.546,35
    -21,19 (-0,28%)
     
  • HANG SENG

    19.441,18
    -77,11 (-0,40%)
     
  • NIKKEI

    27.885,87
    +65,47 (+0,24%)
     
  • NASDAQ

    11.731,00
    -74,75 (-0,63%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4975
    -0,0359 (-0,65%)
     

Caixa agora exporta programa de prevenção ao assédio

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - A Caixa Econômica Federal fechou parcerias para implementar seu plano de prevenção contra assédio moral e sexual em outras 200 empresas.

Banco do Brasil, Visa, BNDES, Riachuelo, Cyrela, Ambev e até times de futebol, como o Palmeiras e o Flamengo, são algumas das companhias que assinaram o acordo.

O programa foi inicialmente implantado na Caixa para reverter a crise de reputação gerada principalmente pelo ex-presidente Pedro Guimarães.

Em setembro deste ano, o Ministério Público do Trabalho ajuizou uma ação em que pediu a condenação do ex-executivo da Caixa e o pagamento de R$ 30,5 milhões pelos danos causados a mulheres que o acusaram de assédio moral e sexual.

A atual presidente do banco, Daniella Marques, assumiu a instituição no final de junho para conter a crise causada pelas denúncias de funcionárias do banco contra Guimarães e outros executivos.

Marques era braço direito do ministro da Economia, Paulo Guedes. Um de seus primeiros atos foi a retirada da investigação do "guarda-chuva" da Presidência, competência que foi transferida para o conselho de administração.

Duas consultorias foram contratadas e, hoje, o banco afirma ter um sólido programa de combate ao assédio que, agora, está sendo difundido pelo mercado como forma de reverter a crise de imagem da instituição.