Mercado abrirá em 6 h 47 min

Caiado volta a criticar Enel e propõe que EDP assuma concessão em GO

Rodrigo Polito

Governador goiano afirmou que levará a proposta de troca de comando da operadora de energia elétrica para o presidente Jair Bolsonaro O governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM) voltou a fazer críticas à italiana Enel, controladora da Enel Distribuição Goiás (antiga Celg), pelos serviços de distribuição no Estado. Em vídeo e comentário publicados há pouco no Twitter, o governador defendeu a troca do controle da concessão, da Enel para a portuguesa EDP.

“Desde fevereiro de 2019, ouvimos promessas que nunca são cumpridas. Se vocês não podem oferecer aos mais de 7 milhões de goianos energia de qualidade, tem quem possa! A companhia energética EDP reconhece a força de Goiás e tem interesse em assumir os trabalhos aqui”, afirmou Caiado na sua conta no Twitter.

O governador goiano Ronaldo Caiado (DEM) está em embate com a concessionária Enel no estado

Edilson Rodrigues/ Agência Senado

O governador de Goiás afirmou que levará a proposta de troca de comando da concessão para o presidente Jair Bolsonaro, o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, e a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

Por lei, os serviços de distribuição de energia são fiscalizados e regulados pela Aneel. A autarquia tem competência para avaliar as condições dos serviços prestados. A Aneel também pode recomendar à caducidade da concessão ao poder concedente, a União, representada pelo Ministério de Minas e Energia.

As queixas de Caiado contra a concessionária italiana já estende por meses. O governador chegou a qualificar a situação como de "calamidade pública", diante da falta de energia em diversos setores e a dificuldade da companhia em atender novos clientes. Segundo Caiado, isso estaria impedindo a instalação de novas empresas no estado.

Em nota, a Enel Goiás diz que prevê investir R$ 1 bilhão na rede elétrica do Estado em 2020. De acordo com a companhia, o valor significa mais de cinco vezes o que era aportado antes da privatização da distribuidora.

A empresa afirma ainda que cumpriu todas as metas previstas para 2019 no plano de ações e investimentos acordado em agosto com o Ministério de Minas e Energia, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e o governo goiano.

A Enel acrescentou que os resultados já obtidos atestam o comprometimento da empresa com o Estado, “inclusive com a criação de novos empregos e capacitação de mão de obra local”.

Sem fazer menção às declarações do governador, a EDP informou que torce para que a operação da Enel se consolide no estado. “Relativamente às notícias veiculadas sobre a prestação de serviços de energia elétrica em Goiás, a companhia faz votos para que esta se consolide”, completou a EDP, na nota.

A companhia lembrou que opera duas distribuidoras no Brasil, em São Paulo e Espírito Santo, e que, recentemente, adquiriu uma participação na catarinense Celesc, da qual é hoje a maior investidora.

A companhia ressaltou ainda que, em 2019, investiu mais de R$ 2,5 bilhões nos segmentos de distribuição e transmissão, “que constituem focos prioritários de investimento no Brasil”.