Cai participação de importados no consumo

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) divulgou na manhã desta quinta-feira o estudo "Coeficientes de Abertura Comercial". O trabalho indica que, depois de dez trimestres consecutivos de alta, a participação de produtos industriais importados no consumo dos brasileiros caiu para 22,1% no terceiro trimestre deste ano. O índice havia alcançado 22,3% no segundo semestre, que foi recorde.

Esse é o "coeficiente de penetração das importações", medido pela participação de bens industriais importados no consumo doméstico no terceiro trimestre, considerando o acumulado dos últimos quatro trimestres até o fim do período em análise. O indicador mede a compra de importados pela indústria brasileira, na fabricação de novos produtos, e também pelas famílias, no consumo final.

O economista da CNI Marcelo Azevedo destaca que não é possível afirmar que, pela leve queda no resultado apurada no terceiro trimestre, as importações continuarão caindo. "Enquanto os mercados desenvolvidos estiverem em baixa, a produção dos países asiáticos será desviada para economias em crescimento como a brasileira", explica Azevedo.

Dos 27 setores avaliados pelo estudo, 12 importaram menos que no trimestre anterior. As indústrias de petróleo e biocombustíveis e as de farmoquímicos e farmacêuticos foram as que tiveram as maiores quedas. No setor de petróleo e biocombustíveis, a queda foi de 2,4 pontos porcentuais. No de farmoquímicos e farmacêuticos, a retração foi de 0,7 ponto porcentual.

"Nos setores em que se registram quedas, as variações podem ser atribuídas à alta na taxa de câmbio ocorrida no início do ano e às medidas adotadas pelo governo para a desoneração dos setores industriais", explica o estudo. A pesquisa foi realizada em parceria com a Fundação Centro de Estudos de Comércio Exterior (Funcex).

A estudo apresenta também o coeficiente de exportação da indústria brasileira, correspondente à participação das exportações no valor da produção industrial, e que alcançou 18,0% no terceiro trimestre de 2012, considerando nesse resultado o acumulado nos últimos quatro trimestres. Foi exatamente o mesmo porcentual frente ao trimestre anterior: 18,0%. Ainda assim, o coeficiente permanece significativamente abaixo do máximo histórico da série trimestral, registrado no fim de 2007, em torno de 20%. "O mercado lá fora está muito ruim, por isso as exportações não decolam", avalia Azevedo.

cotações recentes

 
Cotações recentes
Símbolo Preço Variação % Var 
Seus tickers vistos mais recentemente aparecerão aqui automaticamente se você digitou um ticker no campo "Inserir símbolo/empresa" na parte inferior deste módulo.
É necessário permitir os cookies do seu navegador para ver as cotações mais recentes.
 
Entre para ver as cotações nos seus portfólios.

Resumo do Mercado

  • Moedas
    Moedas
    NomePreçoVariação% Variação
    3,1083-0,0015-0,05%
    USDBRL=X
    3,2960+0,0139+0,42%
    EURBRL=X
    0,9426-0,0046-0,49%
    USDEUR=X
  • Commodities
    Commodities
    NomePreçoVariação% Variação

Destaques do Mercado

  • Líderes em Volume
    Líderes em Volume
    NomePreçoVariação% Variação
    31,51-0,14-0,44%
    VALE5.SA
    15,18-0,38-2,44%
    PETR4.SA
    4,93-0,10-1,99%
    USIM5.SA
    5,86+0,15+2,63%
    GOAU4.SA
    16,40-0,52-3,07%
    LAME4.SA
  • Altas %
    Altas %
    NomePreçoVariação% Variação
    10,89+1,29+13,44%
    TEKA4.SA
    4,18+0,45+12,06%
    BEES4.SA
    4,24+0,43+11,29%
    LFFE3.SA
    7,41+0,71+10,60%
    CRPG5.SA
    28,00+2,60+10,24%
    BRSR3.SA
  • Baixas %
    Baixas %
    NomePreçoVariação% Variação
    16,01-3,99-19,95%
    ITEC3.SA
    1,14-0,25-17,99%
    IGBR3.SA
    0,69-0,11-13,75%
    BBTG12.SA
    29,00-4,00-12,12%
    CEED3.SA
    3,33-0,45-11,90%
    CEDO4.SA