Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.296,18
    -1.438,83 (-1,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.889,66
    -130,39 (-0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,98
    +1,48 (+1,79%)
     
  • OURO

    1.793,10
    +11,20 (+0,63%)
     
  • BTC-USD

    61.032,69
    +95,55 (+0,16%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.453,34
    -49,69 (-3,31%)
     
  • S&P500

    4.544,90
    -4,88 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    35.677,02
    +73,94 (+0,21%)
     
  • FTSE

    7.204,55
    +14,25 (+0,20%)
     
  • HANG SENG

    26.126,93
    +109,40 (+0,42%)
     
  • NIKKEI

    28.804,85
    +96,27 (+0,34%)
     
  • NASDAQ

    15.324,00
    -154,75 (-1,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5808
    -0,0002 (-0,00%)
     

Cai confiança da população nas instituições e nos três Poderes, mostra Datafolha

·4 minuto de leitura
BRASÍLIA, DF, BRASIL, 03-06-2014: Fachada do Congresso Nacional, em Brasília (DF). (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
BRASÍLIA, DF, BRASIL, 03-06-2014: Fachada do Congresso Nacional, em Brasília (DF). (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Em meio à tensão política, ao choque entre Poderes e à longa crise sanitária, caiu a confiança do brasileiro em relação a diversas instituições do país, aponta o Datafolha.

Pesquisa do instituto feita dos dias 13 a 15 deste mês mostra que, em relação ao levantamento anterior, realizado em julho de 2019, subiu a desconfiança da população acerca do Executivo, Legislativo e Judiciário, além de outros atores institucionais, como o Ministério Público.

A Presidência da República foi a instituição com a maior piora: tinha a desconfiança de 31% dos entrevistados em 2019 e agora está com 50%.

O Datafolha, nessa rodada, ouviu presencialmente 3.667 pessoas em 190 municípios brasileiros. A margem de erro é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos.

No ranking da confiança popular, novamente o primeiro lugar ficou com as Forças Armadas, com 76%. A desconfiança, porém, aumentou numericamente em relação a dois anos atrás, atingindo a taxa mais alta da série histórica iniciada em 2017. Eram 19% em 2019 e agora são 22%.

Pilar do governo Jair Bolsonaro, as Forças estiveram no centro de controvérsias políticas neste ano de uma maneira como não se via desde a ditadura militar. Em março, os comandantes do Exército, Marinha e Aeronáutica foram trocados simultaneamente por Bolsonaro.

Nos últimos meses, o presidente também avançou em uma retórica golpista, despertando temores de que tentará provocar confusão, com a adesão de militares, na campanha eleitoral do próximo ano. Um símbolo dessa incerteza foi o desfile de blindados feito na Esplanada dos Ministérios em 10 de agosto, mesmo dia da votação na Câmara de proposta sobre o voto impresso, bandeira bolsonarista.

Entre os dez pesquisados pelo Datafolha, o pior resultado ficou com os partidos políticos, que sofrem a desconfiança de 61% dos entrevistados. A rejeição às agremiações era de 58% em 2019 e agora está em 61%.

O sentimento antipolítica também atinge fortemente o Congresso Nacional, visto como não confiável por 49%.

A imprensa, alvo de críticas constantes do bolsonarismo, tinha a desconfiança de 30% há dois anos e agora está com 32%. Dizem confiar na imprensa 66%, divididos em 48% que afirmam confiar "um pouco" e 18% que dizem "muito".

O Ministério Público, que costuma ser bem avaliado pela população, teve um revés nessa rodada do Datafolha. Disseram que não confiam na instituição 30%, ante 23% em 2019.

Os procuradores e promotores estão às voltas com uma gestão cheia de percalços do procurador-geral da República, Augusto Aras, que foi indicado por Bolsonaro ao cargo sem o aval da categoria.

Aras tem sido criticado por não agir contra o governo federal, por exemplo, em relação às falhas na resposta à pandemia. Também foi dele a iniciativa de mudar o modelo de trabalho da Lava Jato, com o encerramento das forças-tarefa neste ano.

A operação também trouxe desgaste ao Ministério Público nos últimos anos, com questionamentos especialmente ao grupo que atuava no Paraná. O vazamento de diálogos de procuradores no Telegram com o então juiz Sergio Moro, no caso conhecido como Vaza Jato, agravou as contestações à conduta do órgão.

O Datafolha também perguntou aos entrevistados sobre as redes sociais. Disseram que não confiam nelas 53% --eram 46% na pesquisa anterior. Afirmam que confiam 46%, sendo que 40% disseram "um pouco" e 6%, "muito".

Em relação às grandes empresas brasileiras, 29% disseram não confiar, e 69% afirmaram que confiam.

O detalhamento dos dados da pesquisa mostra diferenças de opinião entre diversos segmentos da população.

Os jovens de 16 a 24 anos tendem a confiar mais nos partidos políticos, no Judiciário e no Congresso. Na direção oposta, são mais céticos sobre a imprensa.

As Forças Armadas têm imagem melhor entre homens, quem tem renda familiar acima de cinco salários mínimos e moradores de Centro-Oeste.

O Judiciário, que no quadro geral tem a desconfiança de 31% dos entrevistados, no Nordeste é visto dessa maneira por 34%.

Os resultados da pesquisa também variam de maneira expressiva de acordo com as preferências políticas do entrevistado.

Entre eleitores que dizem que votarão em Bolsonaro em 2022, a desconfiança na imprensa passa de 32% para 47% e, em relação às redes sociais, cai de 53% para 46%.

Os eleitores bolsonaristas também desconfiam mais do Supremo Tribunal Federal.

Já os entrevistados que dizem que votarão em Luiz Inácio Lula da Silva no próximo ano tendem a ser mais avessos ao Ministério Público. O petista se tornou um crítico de procuradores ao longo de seus embates com autoridades da Lava Jato e chegou a processar o ex-chefe da força-tarefa de Curitiba, Deltan Dallagnol.

Entre eleitores de Lula, os que não confiam nos promotores e procuradores passam de 30% para 33%.

Quem pretende votar no PT em 2022 também tende a apoiar menos as Forças Armadas. A taxa de desconfiança nesse segmento passa de 22% para 32%.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos