Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,69 (-0,69%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,56 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,95
    +0,65 (+0,89%)
     
  • OURO

    1.750,60
    +0,80 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    42.800,61
    +282,44 (+0,66%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.067,20
    -35,86 (-3,25%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,18 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.192,16
    -318,82 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    30.248,81
    +609,41 (+2,06%)
     
  • NASDAQ

    15.319,00
    +15,50 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2556
    +0,0306 (+0,49%)
     

Café tem maior queda em 10 meses após estrago menor com geada

·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- A cotação do café arábica sofreu a maior queda desde setembro e reduziu seu avanço no mês com a diminuição das preocupações sobre os estragos climáticos adicionais nos cafezais no Brasil, o maior exportador mundial do produto.

A geada desta madrugada atingiu cerca de 80% do sul de Minas Gerais, a principal região produtora do país, mas o impacto foi menor do que se temia, de acordo com Drew Lerner, presidente da World Weather. A região pode ser atingida por “geadas irregulares” no sábado e no domingo. Em sua maioria, as áreas produtoras de cana-de-açúcar e frutas cítricas foram poupadas dos piores desdobramentos e qualquer impacto ficou restrito, disse Lerner.

“Quaisquer perdas com o evento de hoje serão muito limitadas”, acrescentou Carlos Mera, chefe de pesquisa agrícola do Rabobank Internacional. “No entanto, ainda vemos algum potencial para geadas nos próximos três dias.”

Mesmo com a queda de preços na sexta-feira, ainda há risco de encarecimento do café para os consumidores nos supermercados e cafeterias, em um momento de alta generalizada dos preços globais de alimentos. Esta última onda de frio no Brasil foi outra má notícia para plantações já prejudicadas pela seca e pela pior geada em duas décadas. Temperaturas congelantes podem reduzir a oferta global de café por anos porque são particularmente nocivas às árvores mais novas.

O contrato de café arábica para entrega em setembro chegou a desabar 9% para US$ 1,7860 por libra, marcando uma quarta perda consecutiva. A commodity ainda acumula ganho aproximado de 14% em julho e de quase 60% nos últimos 12 meses. A seca do ano passado e três geadas já registradas na temporada atual diminuíram a produção em 2021 e pioraram as perspectivas para 2022-23.

Pés de café no sul de Minas foram “significativamente afetados e terão dificuldade para se recuperar para a safra do próximo ano”, disse Lerner. “O estresse será intenso, há muitos e muitos anos não fazia tanto frio e o solo já está seco.”

Diante das condições de seca, é ainda mais importante que as chuvas cheguem no momento oportuno, em setembro, mas o movimento pode ser atrasado pela volta do fenômeno La Niña, alertou o executivo.

“A produção do Brasil em 2022-23 foi claramente reduzida pelo clima frio deste mês, então os operadores do mercado podem usar um considerável recuo de curto prazo como uma nova oportunidade para montar posições compradas”, afirmou o relatório Hightower de Chicago.

Título em inglês:Coffee Tumbles Most Since 2010 as Brazil Frost Concerns Ease

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos