Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.296,18
    -1.438,83 (-1,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.889,66
    -130,39 (-0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,98
    +1,48 (+1,79%)
     
  • OURO

    1.793,10
    +11,20 (+0,63%)
     
  • BTC-USD

    61.006,96
    -134,49 (-0,22%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.453,34
    -49,69 (-3,31%)
     
  • S&P500

    4.544,90
    -4,88 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    35.677,02
    +73,94 (+0,21%)
     
  • FTSE

    7.204,55
    +14,25 (+0,20%)
     
  • HANG SENG

    26.126,93
    +109,40 (+0,42%)
     
  • NIKKEI

    28.804,85
    +96,27 (+0,34%)
     
  • NASDAQ

    15.324,00
    -154,75 (-1,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5808
    -0,0002 (-0,00%)
     

Café sustentável feito em laboratório tem cheiro e sabor da bebida de verdade

·2 minuto de leitura

Cientistas do Centro de Pesquisas da Finlândia (VTT) desenvolveram um tipo de café sustentável utilizando células vegetais fermentáveis, colhidas a partir de pedaços de folhas de plantas de verdade. O processo de produção é semelhante ao usado para fabricar carnes cultivadas em laboratório.

O objetivo é diminuir o impacto ambiental causado pela produção de café convencional. Segundo a ONU, o cultivo das plantas requer um gasto muito elevado de água — cerca de 140 litros por xícara de café. Além disso, fertilizantes e pesticidas usados nos cafezais podem contaminar o solo a longo prazo.

“A ideia é usar a biotecnologia em vez da agricultura convencional para a produção de alimentos, fornecendo rotas alternativas que são menos dependentes de práticas insustentáveis de cultivo”, afirma o chefe do laboratório de biotecnologia do VTT Heiko Rischer, autor principal do estudo.

Café de laboratório

O processo de produção do café cultivado em laboratório começa com a escolha das folhas e outras partes das plantas. Os pesquisadores utilizam diferentes meios de crescimento e ambientes variados com nutrientes específicos para estimular a fermentação e a replicação das células vegetais.

“Simplificando todo o processo, as células são transferidas para um biorreator de onde a biomassa resultante é então colhida”, explica Rischer. “As células então passam por um sistema de secagem e depois são torradas para que o café possa ser produzido da maneira mais sustentável possível”.

Segundo os cientistas finlandeses, o cheiro e o sabor do café produzido em laboratório são muito semelhantes ao café comum, com a vantagem de não utilizar fertilizantes ou pesticidas e ter um consumo de água infinitamente menor para cultivar a mesma quantidade de bebida.

Mais do que uma xícara

Os pesquisadores acreditam que estão a cerca de quatro ou cinco anos de aumentar a produção do café sustentável e garantir a aprovação regulatória necessária para comercializá-lo em escala industrial. A ideia não é substituir totalmente o cultivo convencional, mas minimizar os danos ambientais.

Cientista passa um cafezinho cultivado em laboratório (Imagem: Reprodução/VTT)
Cientista passa um cafezinho cultivado em laboratório (Imagem: Reprodução/VTT)

Nos Estados Unidos, por exemplo, o café de laboratório precisaria da aprovação do FDA (órgão sanitário semelhante à nossa Anvisa) para ser vendido aos consumidores. Já na Europa, o produto deve primeiro ser aprovado como “novo alimento” antes de ser comercializado.

“O verdadeiro impacto desse trabalho científico acontecerá por meio de empresas que desejam repensar a produção de ingredientes alimentícios e começar a impulsionar suas aplicações comerciais. O que fizemos até agora prova que o café cultivado em laboratório pode ser uma realidade viável”, encerra Heiko Rischer.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos