Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,33 (-0,68%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,59 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    75,30
    +1,32 (+1,78%)
     
  • OURO

    1.759,00
    +7,30 (+0,42%)
     
  • BTC-USD

    44.215,49
    +1.922,47 (+4,55%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.105,31
    +2,25 (+0,20%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,20 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.262,02
    +69,86 (+0,29%)
     
  • NIKKEI

    30.326,21
    +77,40 (+0,26%)
     
  • NASDAQ

    15.387,00
    +68,25 (+0,45%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2580
    +0,0024 (+0,04%)
     

Café amplia queda com redução de riscos climáticos no Brasil

·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- O café arábica estendeu um recuo das máximas em muitos anos à medida que o risco de geadas diminuiu para a safra do principal exportador, Brasil.

Fazendas na região centro-sul do país, que cultiva de tudo, desde café até cana-de-açúcar e laranjas, podem enfrentar pelo menos duas semanas de secas e temperaturas mais quentes - mas sem geada, disse Celso oliveira, meteorologista da Somar Meteorologia. A perspectiva de outra geada foi examinada de perto porque dois episódios recentes de clima congelante causaram danos significativos às lavouras na área.

Além do recuo das ameaças climáticas, há preocupações mais amplas de que a variante delta do coronavírus delta retardará a recuperação econômica e reduzirá o consumo.

O mercado ainda está se recuperando do choque na oferta após a última geada em 20 de julho.

“Quem mais sofre são os produtores do Brasil que perderam a safra. Exportadores e cooperativas temem não conseguir o café. Os revendedores perderam dinheiro ”, disse Hernando de la Roche, vice-presidente sênior da StoneX Financial. “Os torrefadores estão nervosos em repassar preços mais altos aos consumidores em um ambiente de demanda fraca e preocupação com a variante delta da Covid e seu impacto”.

O café arábica para entrega em setembro caiu 4,4% para US$ 1,716 a libra na ICE Futures US. O preço, que caminha para uma quinta queda consecutiva, caiu 20% em relação à máxima em quase sete anos alcançada em 26 de julho, uma queda que os coloca no que está considerado um mercado baixista.

No Brasil, os grãos de café de alta qualidade preferidos pela Starbucks alternam entre uma alta e uma baixa safra. A seca reduziu a já baixa safra em 2021, enquanto as condições de congelamento reduziram as perspectivas para a safra maior do próximo ano.

As perdas com a safra brasileira de arábica de 2022-23 podem chegar a 8,8 milhões de sacas, de acordo com um relatório da Marex Spectron ao qual a Bloomberg teve acesso. A extensão dos danos significa que a produção de arábica no próximo ano “quase certamente” será a mais baixa desde a temporada de 2014-15, disse o Hightower Report, de Chicago.

Os contratos em aberto aumentaram nas últimas cinco sessões, sugerindo que os produtores estão aproveitando as vendas a preços atuais.

Na cesta de outras commodities, suco de laranja e cacau também recuaram, enquanto o algodão e o açúcar bruto avançaram.

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos