Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,91 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,62 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,96
    -0,65 (-0,90%)
     
  • OURO

    1.753,90
    -2,80 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    48.396,64
    +303,44 (+0,63%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.193,48
    -32,05 (-2,62%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,44 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.963,64
    -63,84 (-0,91%)
     
  • HANG SENG

    24.920,76
    +252,91 (+1,03%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,71 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.530,00
    +12,25 (+0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1994
    +0,0146 (+0,24%)
     

Cadeia de restaurantes Madero pede registro para IPO

·1 minuto de leitura

Por Aluisio Alves

SÃO PAULO (Reuters) - A dona das cadeias de restaurantes Madero e Jeronimo pediu registro para uma oferta inicial de ações (IPO), buscando recursos para pagar dívidas e expandir os negócios.

Com sede no Paraná e 238 unidades pelo país, a Madero foi fundada em 2005 pelo empresário Luiz Durski Junior.

Em 2020, Durski Junior se envolveu em uma polêmica, após ter afirmado que as consequências do isolamento social seriam piores do que as mortes causadas pela Covid-19. Atualmente, a pandemia já matou mais de 550 mil pessoas no Brasil.

No ano passado, refletindo os efeitos das restrições devido à pandemia, a receita líquida da Madero caiu 12% na comparação com 2019, para 747 milhões de reais. A companhia também amargou prejuízo de 249 milhões de reais em 2020 e outra perda de 90 milhões de reais no primeiro semestre deste ano.

No prospecto preliminar da oferta, porém, a empresa afirma que as vendas de suas lojas já atingiram níveis similares aos de antes da pandemia e que usará metade dos recursos das ações novas para seu plano de expansão.

A outra metade dos novos recursos será usada para pagar dívidas. Desde o fim de 2020 até final de junho passado, a dívida líquida da Madero subiu de 652,3 milhões para 913,6 milhões de reais.

A oferta, que será coordenada por BTG Pactual, Bank of America, Bradesco BBI, Itaú BBA, UBS-BB e JPMorgan, também servirá para que atuais sócios da companhia, incluindo o fundo de private equity Carlyle, de cujo fundo Madrid investiu 70 milhões de reais na companhia em 2019.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos