Mercado abrirá em 1 h 59 min
  • BOVESPA

    122.515,74
    +714,95 (+0,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.869,48
    +1,16 (+0,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,60
    +0,34 (+0,48%)
     
  • OURO

    1.813,40
    -8,80 (-0,48%)
     
  • BTC-USD

    38.750,27
    -967,89 (-2,44%)
     
  • CMC Crypto 200

    941,40
    -19,50 (-2,03%)
     
  • S&P500

    4.387,16
    -8,10 (-0,18%)
     
  • DOW JONES

    34.838,16
    -97,31 (-0,28%)
     
  • FTSE

    7.108,45
    +26,73 (+0,38%)
     
  • HANG SENG

    26.194,82
    -40,98 (-0,16%)
     
  • NIKKEI

    27.641,83
    -139,19 (-0,50%)
     
  • NASDAQ

    14.971,50
    +18,75 (+0,13%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1521
    +0,0080 (+0,13%)
     

Cade reabre processo de fusão da Nestlé com a Garoto quase 20 anos após compra

·2 minuto de leitura

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Passados 19 anos da compra da fabricante de chocolates Garoto pela Nestlé, o Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) decidiu reabrir a análise do processo de fusão das duas empresas na semana passada.

Depois de ser vetada pelo órgão, a operação é alvo de extensa briga judicial que já dura quase duas décadas.

A compra foi anunciada no início de 2002, mas foi reprovada pelo Cade em outubro de 2004. O argumento para o veto era que a fusão prejudicaria a concorrência no mercado de chocolates, já que se tratavam de duas das maiores empresas do setor.

Na tentativa de reverter a decisão, a Nestlé entrou na Justiça e conseguiu, em 2009, a anulação do julgamento do conselho. Na época, foi determinado que houvesse novo julgamento no Cade, o que ainda não ocorreu.

Desde então, foram proferidas outras sentenças no caso, a última em abil deste ano, mas o impasse não foi resolvido.

O despacho que determina a reabertura foi assinado em 18 de junho, três dias antes de o presidente do órgão, Alexandre Barreto, deixar o cargo na segunda-feira (21).

O documento, que é público, detalha o histórico judicial do caso e diz que há "a pequena probabilidade de reversão dessa decisão judicial", em referência à determinação de 2009.

Além disso, Barreto considera, na decisão, "a probabilidade de o litígio judicial durar um longo tempo, os prejuízos público e privado decorrentes dessa demora, e a possibilidade de as condições do mercado terem se alterado significativamente".

"Entendo que é necessária alguma solução por parte do Tribunal do Cade. Apenas aguardar a decisão judicial final é uma medida que não atende ao interesse público", completa o documento.

O Cade alega ainda que não foi intimado sobre a última decisão judicial, de abril, e por isso "não há prazo em aberto para qualquer providência judicial" por parte do órgão.

Agora, os autos serão encaminhados à superintendência-geral do Cade para abertura de um novo processo para que o caso seja novamente julgado pelo órgão.

O despacho também determina que a procuradoria do Cade e o TRF1 (Tribunal Regional Federal da 1ª Região) sejam informados da determinação.

A decisão de reabrir o caso foi feita com base em parecer elaborado pela procuradoria do órgão em 24 de maio deste ano.

Procurada, a Nestlé não respondeu até a conclusão deste texto.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos