Mercado fechará em 4 h 54 min
  • BOVESPA

    111.703,08
    -2.109,79 (-1,85%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.507,15
    -222,65 (-0,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    90,85
    +0,35 (+0,39%)
     
  • OURO

    1.761,40
    -9,80 (-0,55%)
     
  • BTC-USD

    21.367,26
    -2.059,97 (-8,79%)
     
  • CMC Crypto 200

    507,11
    -34,49 (-6,37%)
     
  • S&P500

    4.231,59
    -52,15 (-1,22%)
     
  • DOW JONES

    33.744,67
    -254,37 (-0,75%)
     
  • FTSE

    7.559,68
    +17,83 (+0,24%)
     
  • HANG SENG

    19.773,03
    +9,12 (+0,05%)
     
  • NIKKEI

    28.930,33
    -11,81 (-0,04%)
     
  • NASDAQ

    13.274,00
    -249,25 (-1,84%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2317
    +0,0179 (+0,34%)
     

Cade condena empresas por formação de cartel em cafeterias de aeroportos

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) condenou, nesta quarta-feira (3), cinco empresas e seis pessoas físicas por formação de cartel em licitações da Infraero para a concessão de áreas de cafeteria em diversos aeroportos. Somadas, as multas chegam a R$ 4,7 milhões por prática anticoncorrencial.

As empresas Alimentare, Ventana, Confraria André, Boa Viagem e Delícias da Vovó, deverão pagar multas de mais de R$ 3,8 milhões. Já as pessoas físicas pagarão aproximadamente R$ 965,3 mil.

Além das multas, todos estão proibidos de participar de licitações públicas por cinco anos, sendo abatido desse prazo o período de suspensão que já tenha sido cumprido após decisão da Infraero sobre o mesmo caso.

Foram investigados documentos de sete pregões presenciais, ocorridos entre maio e novembro de 2014. O processo judicial foi iniciado em 2015.

Segundo o Cade, as empresas atuaram para bloquear os leilões de contratação em aeroportos nas cidades de Campo Grande (MS), São Paulo (SP - Congonhas), Florianópolis (SC), Maceió (AL), Recife (PE) e São José dos Pinhais (PR).

Marcus Ely Soares dos Reis, advogado da Alimentare e da Ventana Manutenção e Serviços, afirma que a punição é injusta, pois a empresa já havia sido punida pela Infraero em processo administrativo, e, de acordo com a Lei e Jurisprudência, não é possível ser punido duas vezes pelo mesmo fato.

"Condenaram um réu da empresa apenas por constar no quadro social como sócio, e isso não se justifica", afirmou. Reis disse que a empresa vai recorrer.

Por meio do seu advogado, a Confraria André disse que " não tem nada para manifestar a respeito deste assunto neste momento".

A reportagem não conseguiu contato com as empresas Boa Viagem e Delícias da Vovó até as 10h30 desta quinta.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos