Mercado abrirá em 5 h 50 min
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.220,83 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,61 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    62,66
    +1,16 (+1,89%)
     
  • OURO

    1.751,80
    +23,00 (+1,33%)
     
  • BTC-USD

    46.138,34
    +1.713,88 (+3,86%)
     
  • CMC Crypto 200

    921,20
    -11,93 (-1,28%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,63 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    29.385,39
    +405,18 (+1,40%)
     
  • NIKKEI

    29.663,50
    +697,49 (+2,41%)
     
  • NASDAQ

    13.074,75
    +163,75 (+1,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7612
    +0,0029 (+0,04%)
     

Cade arquiva investigação contra Refinaria de Manguinhos

FILIPE OLIVERA E MARIANA GRAZINI
·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O Cade arquivou na última semana uma investigação contra a Refit (refinaria de Manguinhos) e as distribuidoras 76 Oil, Rodopetro e Minuano, denunciadas por suposto prejuízo à concorrência no mercado de combustíveis provocado pela sonegação de impostos. Por 4 votos a 3, ganhou o entendimento de que a empresa não tem uma posição dominante no mercado de combustíveis que justificasse o prosseguimento do inquérito, por possuir menos de participação. A Raízen, que pedia o o avanço da investigação, diz que o arquivamento desconsidera a atual realidade do mercado de combustíveis brasileiro, especialmente o do Rio de Janeiro. Afirma que devedores contumazes de impostos minam a competição, excluindo empresas e impedem a entrada de novos investidores. A Refit diz que é descabido a Raízen acreditar que uma empresa que tem 1% do mercado possa atrapalhar suas operações. Também afirma que há anos denuncia práticas anticoncorrenciais da rival, como represamento de reduções de preços praticados pela Petrobras. Apesar de a investigação não ter seguido, executivos que acompanharam o caso afirmam que ela aponta maior interesse do Cade para o impacto da sonegação fiscal na concorrência, tema citado no voto de cinco dos conselheiros.