Mercado fechará em 1 min
  • BOVESPA

    99.634,29
    -1.382,67 (-1,37%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.036,98
    -208,88 (-0,55%)
     
  • PETROLEO CRU

    39,53
    +0,97 (+2,52%)
     
  • OURO

    1.910,40
    +4,70 (+0,25%)
     
  • BTC-USD

    13.629,72
    +522,48 (+3,99%)
     
  • CMC Crypto 200

    270,04
    +8,75 (+3,35%)
     
  • S&P500

    3.394,41
    -6,56 (-0,19%)
     
  • DOW JONES

    27.510,64
    -174,74 (-0,63%)
     
  • FTSE

    5.728,99
    -63,02 (-1,09%)
     
  • HANG SENG

    24.787,19
    -131,59 (-0,53%)
     
  • NIKKEI

    23.485,80
    -8,54 (-0,04%)
     
  • NASDAQ

    11.570,25
    +78,00 (+0,68%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7050
    +0,0645 (+0,97%)
     

Cade aprova venda de parte da Rodosol para empresa dona da marca “Sem Parar”

Juliano Basile
·1 minuto de leitura

Órgão antitruste verificou que outras companhias vão poder continuar atuando no setor A Superintendência-Geral do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou um negócio entre a Centro de Gestão de Meios de Pagamento (CGMP) e a Rodosol envolvendo a compra de serviços de pagamentos automáticos de pedágio para a marca conhecida como “Sem Parar”. A Rodosol tem sede no Espírito Santo. Já a CGMP atua em vários Estados brasileiros por meio de sua marca “Sem Parar”, que envolve pedágio, estacionamentos e locais de abastecimento. Esse caso teve que ser enviado ao Cade, pois ele envolve a ampliação das atuações da empresa compradora e é tarefa deste órgão antitruste verificar como ele poderá afetar outras empresas que operar neste mercado. As companhias informaram à superintendência do Cade que a Rodosol não atua propriamente como ofertante no mercado, limitando-se a cumprir obrigação do contrato de concessão, para consumo cativo da concessão rodoviária a qual opera. Logo, esse negócio envolve uma abertura para as atuações de negócios com a marca “Sem Parar”. Diante disso, esse órgão antitruste verificou que outras companhias vão poder continuar atuando neste setor. Isso porque o contrato a ser firmado por essas empresas expressamente não garante a migração de qualquer cliente para o serviço “Sem Parar”. Ele não se caracteriza como uma aquisição de ativos. Com base nesta análise essa operação foi aprovada pelo Cade. “Conclui-se que a presente operação não acarreta prejuízos ao ambiente concorrencial, podendo ser aprovada por rito sumário”, ressaltou a superintendência.