Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.399,91
    +2.506,91 (+2,30%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.895,63
    +1.116,73 (+2,67%)
     
  • PETROLEO CRU

    44,16
    -0,39 (-0,88%)
     
  • OURO

    1.816,70
    -2,20 (-0,12%)
     
  • BTC-USD

    18.827,70
    +83,66 (+0,45%)
     
  • CMC Crypto 200

    369,58
    -10,28 (-2,71%)
     
  • S&P500

    3.662,45
    +40,82 (+1,13%)
     
  • DOW JONES

    29.823,92
    +185,32 (+0,63%)
     
  • FTSE

    6.384,73
    +118,54 (+1,89%)
     
  • HANG SENG

    26.567,68
    +226,18 (+0,86%)
     
  • NIKKEI

    26.789,86
    +2,32 (+0,01%)
     
  • NASDAQ

    12.444,50
    -7,75 (-0,06%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3056
    -0,0014 (-0,02%)
     

Cade aprova venda da Liquigás com restrições

·2 minuto de leitura
Sede do Cade, em Brasília (DF)
Sede do Cade, em Brasília (DF)

SÃO PAULO (Reuters) - O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou nesta quarta-feira, com restrições, a venda da Liquigás, subsidiária de distribuição de gás de cozinha da Petrobras, em um negócio que envolveu Copagaz, Itaúsa, Nacional Gás Butano (NGB) e Fogás.

O órgão antitruste afirmou em comunicado que o aval à operação foi condicionado à assinatura de um Acordo em Controle de Concentrações (ACC), para assegurar que o compartilhamento de ativos e prestação de serviços entre concorrentes "não favoreça a adoção de práticas coordenadas pelas empresas".

O relator do caso, conselheiro Mauricio Oscar Bandeira Maia, indicou que a operação foi notificada ao Cade no modelo "fix-it-first", já apresentando "remédio embutido" para sanar possíveis problemas concorrenciais.

Conforme informado pelas companhias envolvidas na transação, a Copagaz será a nova controladora da Liquigás, em conjunto com a Itaúsa --empresa de investimentos do Itaú Unibanco, que deterá de 45% a 49,99% do capital social da Copagaz--, enquanto NGB e Fogás participarão do negócio para solucionar possíveis preocupações concorrenciais em alguns Estados.

O modelo apresentado pelo consórcio, dessa forma, prevê o repasse de ativos da Liquigás para NGB e Fogás visando sanar questões de concorrência em dez Estados.

Para Bandeira Maia, a operação consiste de três etapas: a aquisição principal da Liquigás por Copagaz, Itaúsa e NGB; a formação da chamada "NewCo 1", com ativos da Liquigás e Copagaz que serão transferidos para a NGB; e a formação da "NewCo 2", com transmissão de ativos da Liguigás e Copagaz para a Fogás.

"O acordo (ACC previsto pelo Cade) estabelece condições e prazos mínimos para que as unidades segregadas passem a ser detidas e geridas de forma autônoma pelas adquirentes", afirmou o Cade em nota.

"Além disso, determina que todos os aspectos relacionados às transferências de ativos sejam fiscalizados por um trustee", acrescentou.

O acordo para venda da distribuidora pela Petrobras ao consórcio foi assinado em novembro do ano passado e envolve 3,7 bilhões de reais.

Em 2018, uma primeira tentativa da petroleira estatal para venda da Liquigás, na ocasião para o Grupo Ultra, havia sido bloqueada pelo Cade.

Em seu voto, Bandeira Maia lembrou que a estrutura do mercado brasileiro de distribuição de GLP, seja envasado ou a granel, consiste em um oligopólio formado por quatro empresas: Liquigás, Ultragaz, NGB e Supergasbrás. Segundo o conselheiro, elas dominam cerca de 80% do setor há mais de uma década.

(Por Gabriel Araujo)