Mercado abrirá em 2 h 6 min
  • BOVESPA

    107.829,73
    -891,85 (-0,82%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.335,51
    -713,54 (-1,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,27
    +1,13 (+1,46%)
     
  • OURO

    1.897,50
    +12,70 (+0,67%)
     
  • BTC-USD

    23.192,25
    +215,98 (+0,94%)
     
  • CMC Crypto 200

    534,67
    +8,71 (+1,66%)
     
  • S&P500

    4.164,00
    +52,92 (+1,29%)
     
  • DOW JONES

    34.156,69
    +265,67 (+0,78%)
     
  • FTSE

    7.917,86
    +53,15 (+0,68%)
     
  • HANG SENG

    21.283,52
    -15,18 (-0,07%)
     
  • NIKKEI

    27.606,46
    -79,01 (-0,29%)
     
  • NASDAQ

    12.739,50
    -37,25 (-0,29%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5840
    +0,0069 (+0,12%)
     

Cade analisa joint venture entre Raízen Energia e Wilmar

SÃO PAULO (Reuters) - O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) está avaliando acordo envolvendo a Raízen Energia e a trading internacional Wilmar Sugar para a formação de uma joint venture na negociação de açúcar, segundo publicação no Diário Oficial da União nesta quarta-feira. De acordo com documento enviado ao Cade, a operação envolve a formação de uma empresa entre Raízen, a maior produtora individual de açúcar do Brasil, e Wilmar para a exportação de açúcar VHP brasileiro. "A relação de fornecimento de açúcar existente entre Raízen e Wilmar, que atualmente se dá por meio de contratos comerciais de compra e venda de açúcar, seria fortalecida por meio desta associação societária entre as partes", afirmou o documento. As empresas explicaram que a operação resultaria principalmente no reforço de uma integração vertical pré-existente envolvendo o açúcar produzido ou originado no Brasil, segmento em que principalmente a Raízen atua, e a atividade de exportação (trading, aquisição de açúcar originado no país para venda no exterior) desse produto, em que a Wilmar atua. Ao Cade, as empresas ressaltaram ainda que a estrutura do acordo não acarreta na concentração horizontal de nenhuma natureza e é incapaz de gerar qualquer tipo de preocupação concorrencial nos mercados. Procurada para comentar o assunto, a Raízen, uma joint venture entre a Cosan e a anglo-holandesa Shell não pôde comentar o assunto imediatamente. (Por Roberto Samora)